Mulher Solteira Procura: Uma boa conversa

man-talking-to-upset-woman1

Como uma pessoa que sempre falou muito, por um período considerável da minha vida não tive exatamente um problema em ser a única a falar em uma conversa. Mas isso mudou quando fiquei solteira, me vi rodeada por amigas/amigos que namoravam há tempos e sem muita perspectiva de conhecer gente nova.

Ou seja, teria que passar pelas fases de conhecer gente nova, encontrar pessoas interessantes, descobrir afinidades e por aí vai – a ladainha dos solteiros-que-procuram, resumidamente. Foi nesse momento que me deparei com várias conversas “indecentes” – já explico o porquê.

Uma conversa – levando em conta que se passe entre duas pessoas que não/pouco se conhecem – tem que ser algo dinâmico, trocas constantes e um tom leve, para despertar o interesse em conhecer melhor aquela outra pessoa. Então, leve alguns pontos em consideração para manter a qualidade da conversa.

Young couple has breakfast at italian café

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Muito cuidado com o oversharing – também conhecido como ‘comentários desnecessários’. Se acabamos de nos conhecer, eu não preciso – e ainda não decidi se quero – saber quais são seus fetiches, sua fantasia a-ser-realizada-muito-em-breve, as drogas que você usa (ou não usa), seus traumas do passado ou sei lá mais o quê que estava preso no seu inconsciente e resolveu se libertar justamente nesse momento. Seja lá o que for compartilhado no momento errado, pode assustar logo de cara – e provavelmente vai mesmo.

Regra número um no quesito conversas (de caráter eliminatório para alguns jurados): preste atenção. Porque eu vou me esforçar pra lembrar caso você tenha comentado que seu aniversário é em Março, ou das suas próximas férias.

Mas, se por um acaso do destino e da minha memória eu não lembrar (ou me confundir), terei a delicadeza de assumir e pedir pra você fazer um resumo básico e rápido antes de continuar a conversa.

Na correria que quase todo mundo vive hoje, raro é não estar com a cabeça cheia de coisas, fazendo três tarefas ao mesmo tempo, etc etc. Então não tem problema nenhum assumir que seu cérebro te traiu e pedir pra eu contar de novo pra onde vou viajar ou quando faço aniversário.

o-MEN-AND-WOMEN-facebook

O segundo ponto extremamente importante sobre conversas é: tenha assuntoS, no plural mesmo. Parece óbvio? Não é.

Quem nunca se deparou com aquela conversinha manjada do “Oi! Você vem sempre aqui?” que atire a primeira pedra. Se você percebeu alguma coisa de diferente em mim, ou algo que acontece ao nosso redor, é muito mais interessante começar a conversa com isso do que uma cantada fajuta ou essa “ladainha”. São pontos que somam a seu favor.

Outro detalhe – não tão pequeno assim – é saber perceber quando o assunto da conversa não agrada, porque é o tipo de coisa que desanda o angu.

o-MAN-WOMAN-TALKING-facebook

Ano passado saí com um cara que conheci por um desses aplicativos tipo Tinder (sim, eu uso!), e combinamos de jantar numa padaria bem legal. O problema foi que a criatura desembestou a falar sobre livros de filósofos sobre os quais eu nunca tinha ouvido.

Nessa, até eu que sou uma pessoa normalmente falante (vide meus textos), fico muda – e o pior foi ele não perceber e continuar com o monólogo até que eu inventei sono, cansaço e uma desculpa pra voltar pra casa.

Foram momentos torturantes, e nem preciso dizer que nunca mais encontrei o moço – fui educada nas poucas conversas depois, mas deixei claro que não rolaria mais nada.

A conversa é essencial para todos os momentos – ninguém quer estar perto de uma “porta”, “planta” ou similares, que não interage com nada nem ninguém. Ela pode determinar o futuro ou decretar o fim da coisa toda.

approach-a-girl-1024x682

Resumindo o anúncio? Saiba conversar. Você não precisa ser a pessoa mais antenada ao que acontece no mundo, nem abrir mão das suas opiniões pra conversar comigo, mas precisa responder, interagir.

O que não pode é ficar só nas respostas monossilábicas, prestar atenção em tudo e todos –  menos quem está na sua frente, ou fuçar no celular (isso é praticamente um cartão vermelho, a não ser que seja emergência de trabalho ou familiar).

Se você se deslocou até ali faça aquele momento valer a pena, e a conversa também – sabe lá quão surpreso você pode ficar com o que ouviu. Não trabalhamos com blábláblá.

Texto escrito por Clarissa Viana, jornalista e ácida. Namorou por vários anos e pensou que teria uma família de comercial de margarina. Não deu certo, e agora procura simplesmente um cobertor de orelha fixo (rótulos adicionais a serem debatidos).

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »