A Ásia é o novo centro da moda; o que isso muda para nós?

O sucesso da japonesa Uniqlo reflete a mudança do mundo da moda para a Ásia

O mundo da moda está mudando. Não apenas na relação entre consumidores e marcas, impulsionada pela pandemia, mas também no ponto de vista geográfico e, possivelmente, cultural. O centro da moda, agora, é a Ásia. E isso pode mudar as coisas aqui para nossos lados.

Economicamente, os resultados já são claros. A japonesa Fast Retailing, empresa mãe da Uniqlo e de outras marcas, se tornou a companhia de moda mais valiosa do mundo em fevereiro. Valendo 105 bilhões de dólares, superou a espanhola Inditex, proprietária da Zara.

Em termos de receita, a japonesa ainda está atrás da espanhola e da sueca H&M. Mas a alta constante no preço de suas ações desde o meio de 2020 indica um movimento maior. E isso tem sido impulsionado por vários fatores.

Contexto favorável a mudanças

Em primeiro lugar, a Uniqlo, que responde por mais de 83% da receita da empresa, estava no lugar certo e na hora certa. Especializada em roupas casuais e confortáveis, ideais para “ficar em casa”, ela surfou na onda do home office compulsório causada pela pandemia.

Além disso, a Fast Retailing já tinha investido em uma transformação digital. A mudança para o e-commerce, também impulsionada pela crise, parece ter vindo para ficar. A empresa apostou em tecnologia e tem usado a inteligência artificial do Google para identificar melhor as tendências de produtos e prever a demanda, aprimorando sua experiência de vendas.

A nova loja da Zara em Beijing é a maior da empresa na Ásia

O fator mais importante dessa valorização, contudo, pode ter sido a escolha estratégica de, em vez de abrir lojas pelo Ocidente – como no Brasil, onde faria sucesso – a Fast Retailing ter decidido manter seu foco na Ásia, especialmente na China. São mais de 2.000 lojas em todo o mundo, sendo 60% delas no continente asiático e mais de 800 só na China.

O país asiático teve uma gestão bem-sucedida da crise provocada pela pandemia, controlando o vírus e proporcionando uma recuperação econômica em forma de V, algo que poucas outras economias conseguiram. Enquanto os principais mercados da moda estão na Europa e nos Estados Unidos, e seus governos sofrem para controlar o Covid-19 e recuperar suas economias, o PIB da China tem ido muito bem, obrigado. A economia chinesa cresceu 2,3% em 2020 – foi o único grande mercado a fazer isso.

O mundo da moda vai à Ásia

Em 2019, a China já tinha ultrapassado os Estados Unidos como o maior mercado de moda do mundo, de acordo o relatório da consultoria McKinsey. A pandemia aumentou essa diferença, mas nem só de China se faz um continente.

A Fast Retailing, que planeja ter 3.000 lojas só na China, quer aumentar sua presença em outras partes da Ásia. Recentemente se voltou para a Índia, a segunda nação mais populosa do mundo e provavelmente o próximo grande campo de batalha para marcas de moda globais.

Até a Zara está abrindo lojas indianas e já tem 20% de suas lojas no continente asiático. Embora continue dependendo da Europa e dos Estados Unidos (onde estão 70% de suas lojas), a marca espanhola quer mudar esses números. Sua maior loja asiática, em Pequim, foi inaugurada em outubro de 2020, por exemplo.

A nova loja da Zara em Beijing é a maior da empresa na Ásia

O que muda agora?

A moda sempre foi dominada pelo Ocidente. A indústria se acostumou a ter na Europa e os nos Estados suas maiores fontes de demanda de consumo, bem como o lar dos produtos mais valiosos desse universo. Agora, uma gigante japonesa com presença dominante na Ásia é a empresa de moda mais valiosa do mundo. E isso é visto por especialistas como um reflexo do quanto a pandemia está acelerando o deslocamento da moda global para o Oriente.

Isso significa que todos precisarão se adaptar: reajustar desde suas estruturas organizacionais até sua variedade de produtos e suas estratégias de marketing nas redes sociais. Nessa história, a região da América Latina pode perder influência, ficando sempre como a terceira opção de mercado para as marcas globais. De lançamentos a comunicação com consumidores, é provável que a atenção não esteja em nós por um bom tempo. E que os próprio produtos não sejam pensados para cá ou trazidos em grandes quantidades. Em última análise, é capaz que o seu número de roupa mude. O padrão asiático de tamanhos é menor que o nosso, e comprando roupas de lá precisamos sempre adicionar um tamanho a mais.

A tendência global já era de foco em e-commerce, sustentabilidade e revenda. Então não é absurdo imaginar um mundo em que os brasileiros que consomem moda masculina, por exemplo, tenham que importar produtos da Ásia e que o mercado nacional se apresente como, senão tão rentável quando o asiático, mais aberto a opções sustentáveis e disposto a abraçar novas relações de compra e venda.

Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Populares

Parceiros

Stock Images by Depositphotos
Tudo na mão para você ficar ON
Homem também tem que ter estilo
A Pod360 ajuda você na construção do seu podcast.
Loja oficial do Manual do Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »