Diretora da Nike pede demissão após esquema de revenda de tênis

Joe Hebert, proprietário da West Coast Streetwear, que envolveu a Nike no esquema de revenda de tênis

Um escândalo tem mexido com o mundo sneaker – e, na verdade, todo mundo que se liga no cotidiano de grandes empresas globais – nos últimos dias. A história envolve revenda de tênis, Nike, uma executiva de alto escalão da empresa, seu filho e um cartão corporativo.

Ann Hebert, vice-presidente e general manager da Nike na América do Norte, pediu demissão na última segunda-feira (1) após acusações de que seu cartão corporativo teria sido usado para financiar o negócio de revenda de tênis de seu filho, Joe.

Para entender a gravidade do caso é preciso olhar para o tamanho do mercado de revendas, sua relação com as fabricantes e onde a executiva da Nike agiu (ou não) nessa confusão.

Entendendo o caso: o contexto da revenda

Space Hippie - tênis Nike sustentável 8

O negócio de revenda, principalmente de tênis, é bastante lucrativo em todo o mundo. Sobretudo nos Estados Unidos, onde a maioria dos lançamentos exclusivos chega sempre.

Assim, modelos difíceis de encontrar podem ser comprados por 150 dólares e revendidos por três, cinco ou até dez vezes esse valor. Um par de Air Yeezy “Red October”, por exemplo, de quando Kanye West e Nike ainda trabalhavam juntos, pode ser encontrado por mais de 15 mil dólares no mercado.

Segundo um relatório publicado em 2020, mercado atual de revenda de tênis Nike, Adidas e de todas as outras marcas vale cerca de 2 bilhões de dólares só nos Estados Unidos atualmente. A a previsão é de que o valor chegue nos 30 bilhões de dólares globalmente até 2030.

Toda essa indústria é teoricamente legal, mas há uma série de conflitos entre revendedores, fabricantes e compradores por trás dessa grana. Como o uso de robôs para burlar sistemas de vendas das lojas, que impossibilita pessoas normais de conseguirem comprar um modelo desejado. Ou o efeito que o negócio causa sobre o preço final dos produtos. Em linhas gerais, é como o esquema de camelôs para ingressos de jogos e show no Brasil.

Entra em cena a West Coast Streetwear

tênis comprados pela empresa de revenda West Coast Streetwear e comprados com o cartão corporativo da Nike

Uma semana antes da demissão, a revista Bloomberg Businessweek publicou uma reportagem sobre a ascensão da West Coast Streetwear, uma empresa que compra e revende edições limitadas e muito procuradas de tênis e roupas, como Yeezys e Air Jordans.

A empresa pertence a Joe Hebert, um jovem de 19 anos, e é uma das que fazem uso de robôs e softwares que “facilitam” as compras. Segundo a matéria, por exemplo, gastou 132 mil dólares em um único lote de tênis para revendê-los com um lucro de 20 mil dólares.

Para provar esses ganhos, o jovem dono enviou uma fatura de um cartão de crédito American Express ao repórter da Bloomberg que escreveu a matéria. O problema é que o cartão era corporativo e estava no nome de Ann Hebert, sua mãe.

Há conflito de interesses?

O aplicativo SNKRS da Nike, que digitalizou as compras de tênis

No ano passado, Ann Hebert assumiu seu cargo com a função de diminuir a dependência de lojas físicas na relação com o consumidor, incentivando os clientes a comprarem os tênis diretamente no app SNKRS. (No Brasil, ele é só uma seção dentro do site da Nike, mas nos EUA é a principal maneira de comprar um lançamento da marca.) Como a própria Bloomberg observou, essa digitalização ajudou ainda mais a alimentar o mercado de revenda de tênis.

Segundo a Nike, a empresa sabia que Ann Hebert tinha um filho que trabalhava com revendas e não via conflitos de interesse na história. Joe também disse à Bloomberg que nunca recebeu informações privilegiadas da mãe.

O problema é que a reportagem diz que Hebert compartilhou informações sobre lançamentos futuros em um grupo premium de revendedores. Ele alega que não eram informações privilegiadas, e que seu “talento para negócios” vem do fato de morar em Portland, sede da Nike.

De qualquer forma, a confusão foi suficiente para a mãe desistir de um dos empregos mais poderosos do mundo dos esportes.

Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Populares

Parceiros

Stock Images by Depositphotos
Tudo na mão para você ficar ON
Homem também tem que ter estilo
A Pod360 ajuda você na construção do seu podcast.
Loja oficial do Manual do Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »