Como funciona um relacionamento aberto: um guia de uma pessoa não monogâmica

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

Temos uma história sobre relacionamento aberto para contar.

Preparado?

Me chamo Beatriz*, e tenho certeza de que a monogamia nunca foi para mim. Na quarta série, tive problemas com meu namorado porque ele descobriu que eu tinha outro namorado. Ao longo do ensino médio e da faculdade, alguns dos meus relacionamentos se sobrepunham, e alguns eram puramente desonestos. Mas a sociedade me disse que eu deveria estar com uma pessoa de cada vez, com o objetivo de escolher uma pessoa para sempre. Eu costumava cair em um ciclo de tentar fazer esse trabalho, mas, eventualmente, deixar a tentação tirar o melhor de mim e falhar as duas partes do relacionamento; especialmente meu parceiro. Eu machuquei as pessoas e me senti tão mal. Foi tão errado.

Depois que um relacionamento monogâmico realmente bom, duradouro e de longo prazo terminou, de repente eu fiquei solteiro aos vinte e poucos anos e desfrutando da liberdade e da variedade. Foi quando eu conheci Marcos*. Marcos* era divertido e nossa química era fantástica e rara, e embora mantivéssemos isso estritamente físico, com esses limites claramente definidos, passar tempo juntos estava se tornando a principal parte da minha vida. Por fim, a conversa inevitável surgiu naturalmente sobre o que éramos e o que poderíamos ser.

Nós dois estávamos sempre conscientes da existência de outros amantes, mas era claro que éramos os favoritos um do outro. Ocorreu-nos que poderíamos manter a excitação e a variedade, e ainda nos deixarmos apaixonar um pelo outro.

Em julho de 2012, começamos um relacionamento aberto. E desde então eu tenho muitas perguntas sobre como nós fazemos isso funcionar e por que nós faríamos isso em primeiro lugar. Eu entendo que pode ser difícil para muita gente entender. Mas funciona para nós e não é tão incomum quanto parece.

O que significa estar em um “relacionamento aberto”, afinal?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

Um relacionamento aberto é uma forma de não-monogamia, que é um termo abrangente para qualquer parceria física ou romântica que não esteja baseada na exclusividade. Existem toneladas de versões. Neste caso, estamos focando no que Beatriz e Marcos fazem – o casal que contou sua história acima: um casal comprometido que pega outras pessoas – o que é um pouco diferente de um relacionamento poliamoroso, onde uma pessoa pode namorar várias pessoas sem priorizar nenhuma delas.

Um casal que eu conheço, por exemplo, tem algumas namoradas em comum, e eles também têm seus próprios parceiros (ela tem parceiros tanto do sexo masculino quanto do sexo feminino, e ele tem parceiras do sexo feminino). Eu tenho uma boa amiga que mora longe do namorado; ela tem vários amantes masculinos e femininos regulares, enquanto ele viaja o mundo, encontrando encontros sexuais espontâneos ao longo do caminho.

Para outro casal que conheço, a não-monogamia significa que um parceiro faz coisas com amantes que o marido não gosta de fazer, enquanto o marido opta por encontros que duram 25 minutos, no máximo. Eles também dão as boas-vindas a multidões em sua cama para grandes orgias (é sério). No caso de Beatriz e Marcos, cada um fica com quem quer ficar, mas de forma separada.

Em resumo: cada relacionamento aberto – ou “não monogâmico” – funciona de uma maneira particular e própria.

O melhor é que, depois de decidir incluir outras pessoas ou amantes em seu relacionamento, você pode fazer o que quiser. Cabe ao casal decidir quais níveis de envolvimento com parceiros secundários se sentem confortáveis. Geralmente, a única regra com não-monogamia é que toda a troca deve ser feita de forma ética, segura e com o consentimento de todas as partes envolvidas. Além disso, cada par ou grupo determina seus próprios limites e diretrizes.

E para que você pense que somos uma pequena subcultura de esquisitos do amor livre, pesquisas feitas nos últimos anos estimam que 4-5% dos relacionamentos nos EUA não são monogâmicos. Um estudo descrito na Psychology Today em 2014 constatou que entre 23% e 40% dos homens e 11% e 22% das mulheres estão curiosos para experimentá-lo.

Pra quê fazer isso se o sexo em casa está bom?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

Muitas pessoas acham que ter um relacionamento ou sexo com apenas uma pessoa por um período indefinido de tempo é muito difícil e pouco natural. Beatriz afirma: “Eu sempre fui uma dessas pessoas.

Durante a maior parte da minha vida, eu era monogâmica em série e constantemente trapaceia. Na verdade, eu só tinha um relacionamento monogâmico bem-sucedido. Não foi até Marcos e eu criarmos nosso arranjo que eu percebi que poderia ter tudo: compromisso e liberdade. E ele também. Todo mundo ganha.”

Além disso, as pessoas não recorrem ao relacionamento não-monogâmico porque o sexo monogâmico não está bom. As pessoas recorrem ao relacionamento aberto normalmente porque o sexo está tão bom, e a confiança e sintonia é tanta, que abrir parece apenas algo natural.

A monogamia é simplesmente impraticável?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

Você tem muita autoconsciência – e sabe que se o seu relacionamento não for aberto, você se sentirá preso e acabará traindo. Na maioria das vezes, isso rola – e pode rolar. Afinal, quantas vezes você já ouviu histórias de casais apaixonados que terminaram porque houve traição? Por um deslize de uma noite? Casais apaixonados chegaram ao fim pelo simples fato de um dos dois ter dormido com outra pessoa. Isso é justo? É certo?

É claro que quebrar contratos é um absurdo, e traição é uma quebra de contrato e confiança. Mas não haveria esse problema se o relacionamento simplesmente não se apegasse ao ato sexual.

É tudo sobre confiança neste relacionamento. Você está tão confiante em si mesmo que sabe que ninguém é melhor do que você, ou é melhor para a sua parceira. Você sabe que a sua namorada se sente da mesma maneira porque você fala sobre isso. Vocês dois entendem a necessidade de variedade, e isso é tudo.

Então, você está confortável em compartilhar e ser compartilhado. Há pequenos reflexos de ciúme que podem surgir – é natural, mas você está tão confortável em seu relacionamento e em seu valor que não há problema em ambas as partes vagarem de tempos em tempos – mas ninguém é tão perfeito para a sua parceira quanto você.

Quem tem um relacionamento aberto não ama de verdade?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

Beatriz* fica extremamente chateada sempre que escuta algo assim: “Eu já ouvi todas as versões dessa pergunta, e apesar do meu grande coração, sempre me faz querer dar um soco na cara de alguém. Escolher a não monogamia não é um compromisso que fazemos porque temos padrões mais baixos; é uma preferência – alguns até consideram uma orientação. Ir por esse caminho cultiva uma profundidade intensa de intimidade. Assim como escolher ser exclusivo, estamos apenas nos aproximando por meio de diferentes experiências. Você pode preferir chá à café, mas isso não significa que todos os cafés são ruins.”

Quem tem um relacionamento aberto é contra a monogamia?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

Beatriz* afirma: “Não estou dizendo que a monogamia é impossível ou improvável. Conheço muitas pessoas que têm relacionamentos monogâmicos muito bem sucedidos e são muito felizes juntos. Mas muitas pessoas estão desafiando o estilo de relacionamento convencional e está funcionando para elas, assim como está funcionando para mim. Nós construímos e modificamos o relacionamento – e as regras – à medida que avançamos. Sim, nós temos regras!”

Sim, quem tem relacionamento aberto tem regra! Vamos para elas agora?

Quais são as regras?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

A Beatriz* compartilha as regras dela com a gente: “Começamos com poucas agora temos mais algumas que criamos ao longo do caminho. Houve casos em que algo pareceu desconfortável ou quando nos sentimos feridos, e por isso modificamos. Nós não ficamos bravos um com o outro, se algo acontece que nos deixa desconfortável – desde que não seja uma violação de uma regra existente; aprendemos com isso e fazemos uma nova regra.”

Elas são, nas palavras de Beatriz*:

Regra 1:

Essa foi a primeira regra que inventamos: esse é o nosso principal relacionamento. Fazemos questão de não gastar muito tempo com parceiros secundários. Nós podemos, e às vezes nos tornamos amigos deles, especialmente se ficarmos juntos por um tempo considerável, mas temos que cortar a relação se ela se tornar invasiva.

Regra 2:

Honestidade. Sempre. Mas isso é algo que nunca tivemos que fazer um esforço.

Regra 3:

Sempre obtenha o consentimento da pessoa que está se envolvendo. E claro, o meu namorado sabe quando vou sair com alguém, e vice-versa.

Regra 4:

Nós não namoramos amigos ou alguém que conhecemos – incluindo qualquer pessoa de quem somos amigos nas redes sociais. Certa vez, vi um perfil no Facebook de alguém com quem ele acabou transando e ela estava absolutamente deslumbrante. Isso foi difícil para mim porque eu não pude deixar de me comparar com a forma como a percebi na internet (a maioria era apenas ilusões preenchidas por meu próprio cérebro, é claro). Mas nós passamos por isso juntos. Só porque ele era a causa da minha mágoa, isso não significava que eu não podia esperar para correr em seus braços. Nós fizemos uma nova regra então: Não dormir com amigos do Facebook, sem amigos em geral.

Regra 5:

Dois amantes diferentes em uma semana é um pouco demais, por isso tentamos evitar isso.

Regra 6:

Sempre usamos camisinha.

Bom, essas são as regras da Beatriz e do Marcos, mas há vários tipos de regras para casais diferentes. Como já falamos, cada relacionamento aberto funciona de uma maneira; em alguns, os casais só podem ficar com amigos. Em outros, o casal só pode ficar com a mesma pessoa.

Tudo vai depender das regras que vocês estipularem.

E os ciúmes? Não é possível que não role ciúme!

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

Sim, claro!

Beatriz* explica: “Em relacionamentos monogâmicos no passado, eu era incrivelmente ciumenta o tempo todo. Todas as mulheres atraentes eram uma ameaça potencial em minha mente, e eu estava paranoica com as conexões de meus namorados com outras pessoas. Como nossa comunicação nunca permitia uma conversa simples sobre o quão bonita uma mulher era, ou o quão fofo um cara que eu via era, qualquer quantidade de flerte era catastrófica. Com minha configuração atual com Marcos*, ele sabe que sim, sou atraída por outras pessoas e estou dormindo com algumas pessoas. E eu sei o mesmo sobre ele. Confirmado, seguindo em frente.”

Ela continua: “Além disso, um pouco de ciúme geralmente desaparece depois de algumas horas a alguns dias. E não há reforço de confiança como lembrar que sou eu quem ele vem para casa e ama profundamente. Marcos* deixou claro que eu sou única. Ele conhece todas as minhas peculiaridades, ele sabe o que me motiva e como raciocinar comigo. Ninguém me conhece como Marcos*, e ninguém vai conhecê-lo como eu. Quando eu realmente paro para pensar sobre isso, sei que há poucas chances de ele ver alguém que será melhor para ele do que eu.”

Muitas pessoas não-monogâmicas, assim como Beatriz*, argumentam a situação da seguinte maneira: “Nós removemos a propriedade que pode vir com um relacionamento convencional. Marcos* e eu gostamos de variedade, e sabemos em primeira mão que a presença de outros amantes não diminui os sentimentos que temos um pelo outro.”

O diálogo é o segredo: “Conversamos um com o outro como amigos, e nada fica restrito, o que significa que às vezes faço perguntas idiotas para as quais já sei a resposta – tipo: ‘Você ainda me ama?’e ‘Você vai viajar com ela para a praia?’ (Obviamente sim, e obviamente não, nessa ordem) – só para ouvir isso vindo dele. Eu também posso reclamar com ele quando os caras não são legais para mim, e vice-versa. Como estamos estruturados com honestidade, sei que receberei uma resposta honesta ou um conselho honesto. Nós nos beneficiamos muito com a comunicação aberta em todos os aspectos. Abertura é tudo.”, afirma Beatriz*.

Por fim, ela completa: “Além disso, saber que o cara que a gente ama é desejado por outras pessoas é realmente muito sexy.”

O que um faz enquanto o outro está com outra?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

Beatriz é bem ousada para responder essa pergunta: “Às vezes eu gosto de vê-lo sair para um encontro e beijá-lo antes que ele saia. Depois que ele sai, eu fico sozinha para assistir o que eu quiser e eu fico com toda a cama só para mim. Se eu estiver com um humor ciumento e precisar falar com alguém, vou ligar para um amigo e pedir ajuda para ele. Meus amigos me fazem rir e me sinto melhor. Ocasionalmente, teremos encontros na mesma noite, mas isso raramente acontece.”

Ou seja: quem tem um relacionamento aberto já estruturado raramente se preocupa com isso.

E se alguém se apaixonar por outra pessoa?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

A Beatriz* afirma: “Nós trabalhamos muito duro por um longo tempo para construir um relacionamento amoroso, feliz, divertido e confiante que ambos sentimos ser praticamente inquebrável. Nós nos comunicamos tanto que nada importante passaria despercebido e não seria discutido. Nós concordamos que se as coisas estão ficando um pouco intensas com alguém, nós terminamos, mas isso ainda não aconteceu. Além disso, eliminamos o elemento da tentação, então o sexo não é um pecado arriscado e cheio de adrenalina. Na minha experiência, a adrenalina resultante de se esgueirar com alguém pode se tornar dependência – o ato em si pode unir as pessoas e acabar sendo confundido com amor.”

O que Beatriz disse tem certo embasamento. Quando tiramos a proibição de algum ato e deixamos de alimentar o desejo – que pode ser natural para muitas pessoas – o desejo não é confundido com amor ou paixão.

“Além disso, não há nada de inerente em relacionamentos monogâmicos que proteja pessoas comprometidas de se apaixonarem por outra pessoa. E aquele cara fofo no trabalho? Você não pode se apaixonar por ele? Ninguém está livre disso”, completa.

Mas e um relacionamento poliamoroso? O que é? É diferente?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

As pessoas em relacionamentos poliamorosos podem ou não ser casadas, embora as pessoas que se identifiquem como poliamorosas tendam a rejeitar as restrições da convenção social do casamento e, em particular, a limitação a um dos parceiros.

Relações poliamorosas não devem ser confundidas com bigamia, que é o casamento com mais de uma pessoa, e que é ilegal. Tampouco deve ser confundido com “troca de esposas” ou “swing”, em que os casais em relacionamentos estabelecidos têm relacionamentos casuais pré-arranjados com parceiros do sexo oposto de outros casais.

Poliamoria não é o mesmo que um relacionamento “aberto”, que envolve um casal comprometido concordando que um ou ambos os parceiros têm permissão para ter relações sexuais com outras pessoas, sem necessariamente compartilhar informações sobre os outros parceiros, embora casais poliamorosos também possam ter relacionamentos abertos.

Ok, quero abrir meu relacionamento. O que fazer?

Como funciona um relacionamento aberto: um guia completo pelo ponto de vista de uma pessoa não-monogâmica

Normalmente, quando Beatriz* termina o seu discurso, ela convenço as pessoas a reconhecerem a não-monogamia como um tipo de relacionamento válido, e algumas querem dar uma chance para a ideia. Então, agora, ela preparou algumas dicas para te ajudar a tentar entrar nessa jornada:

Para ganhar coragem para tentar isso, eu tive que começar percebendo que os relacionamentos convencionais que eu conheci por toda a minha vida não eram necessariamente o único tipo que estava disponível para mim. Um livro que eu li, chamado Sex At Dawn, examina a evolução da monogamia em humanos; nem sempre foi a norma da sociedade. Antes da agricultura e do crescimento populacional, a promiscuidade sexual fortalecia as comunidades, em vez de alimentar o ciúme. A aplicação dessa estrutura de comunidade à funcionalidade moderna foi um pouco mais desafiadora, no entanto.

Um amigo recomendou outro livro que é um dos favoritos entre muitas pessoas não-monogâmicas que eu conheço, chamado The Ethical Slut, que é uma introdução a diferentes tipos de não-monogamia na sociedade atual. Esse livro ajudou a esclarecer muitas questões que surgiram naturalmente sobre diferentes abordagens para relacionamentos abertos, como lidar com sentimentos de ciúme, como se sentir apoiado por seu parceiro e seus amigos e, acima de tudo, a importância do amor e da amizade.

Por meio de uma combinação de recursos e de minhas próprias experiências, aprendi que um relacionamento não monogâmico bem-sucedido deve priorizar comunicação, honestidade, abertura, colaboração e respeito – as mesmas coisas que são importantes em qualquer relacionamento, a propósito. Quando esses elementos são praticados no funcionamento diário e de longo prazo de um relacionamento, o resultado é extraordinariamente fortalecedor.

Sentimentos de apreensão, ciúme e até mesmo raiva, são emoções normais que todos experimentam em algum momento em relacionamentos abertos. É saudável quando você pode identificá-los e reconhecer que eles não são obstáculos; até emoções aparentemente negativas são úteis porque você pode superá-las com razão e lógica, tanto individualmente quanto como um casal. Isso dá à sua mente um poder incrível, e seu relacionamento com uma validade incrível. Se você está se sentindo inseguro, pergunte ao seu parceiro o quanto ela ama você e como você é perfeito para ela.

No fim das contas, a máxima é a mesma: “Toda forma de amor vale a pena”.

* Os nomes foram alterados para proteger a identidade dos entrevistados.
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Homem também tem que ter estilo
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »