Porque todo paulistano deveria ir num jogo do Juventus

Jogo do juventus

“Eu me apaixonei por futebol do mesmo jeito que me apaixonei por mulheres: De repente, sem explicação, sem senso crítico, sem pensar em nenhum momento sobre as dores e problemas que viriam junto com esse amor”.

A frase retirada do livro “Febre de Bola”, de Nick Hornby, resume bem como é difícil explicar a fixação por futebol. Mais difícil ainda, é explicar o amor de um torcedor por um time pequeno de bairro como o Juventus, da Mooca.

É difícil por em termos o que é ser um Juventino, você apenas o é. As faixas penduradas nas laterais externam um pouco os sentimentos da torcida: “Ódio eterno ao futebol moderno”, “Origine Operare” e “Loucura e Travessura”.  Na turma do Setor 2, passado e presente se misturam. A nostalgia é combustível para trazer público ao estádio e empurrar o time em campo.

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Hoje, já dá para dizer de boca cheia que o Juventus é um patrimônio histórico da cidade de São Paulo. Mas tal qual pontos turísticos da cidade, muitos paulistanos nunca pisaram no estádio da Rua Javari, muito menos sabem como chegar na Mooca.

O MHM vem aqui fazer uma prestação de serviços e listar os motivos pelos quais todo paulistano deveria ir num jogo do Juventus. Se liga:

Futebol sem marketing e sem frescuras

jogo do juventus

Lembra quando o futebol não era veículo para exposição de marcas e jogadores mas sim um esporte? Pois é, parece que este tempo está congelado no Estádio Conde Rodolfo Crespi.

A falta de patrocínios e estrelas fazem com que a diretoria sofre para manter o time na ativa, mas também torna o futebol jogado em campo o mais puro possível.  É um meio termo entre um time grande de campeonato brasileiro e um time de bairro de várzea.

Na torcida, o sotaque italiano comenda os xingamentos – destinados ao time adversário ou não. Na Javari, cobra-se trabalho do treinador ali mesmo: cara a cara. “Orra, meu. Vamo joga bola, caspita!” Quem vai sempre, sabe quem é a família dos jogadores, onde moram o que fazem: “Aquela ali é a tia do lateral, mas só ela acha que ele joga bem”. Um futebol sem máscaras, como deveria ser sempre.

Porque é na Mooca, belo

estádio do juventus

O morador de São Paulo é uma contradição. Apesar de amar todos os benefícios da cidade, vive reclamando de trânsito, poluição, violência, ciclovia, faixa de ônibus, Radial Leste parada, Marginal parada… Mas pode reparar: Você vê um paulistano falando mal de São Paulo, mas dificilmente verá um mooquense falando mal da Mooca. A Mooca é casa nostra e casa nostra é sagrada.

Chamado de mais paulistano dos bairros, a região desperta o bairrismo mesmo em quem acaba de chegar por lá. Não que o distrito tenha muitas opções de lazer para forasteiros. Há muito pouco o que fazer para quem não é de lá. Difícil explicar.

Como explicar que dentro de uma cidade tão grande, existe um bairro com ar de interior? Só quem mora por lá consegue entender a energia das ruas calmas, a alegria de sair dando bom dia no caminho para trabalho e o sotaque italiano – que mesmo com o passar dos anos – permanece na boca do povo de lá.

Cannoli

Cannoli do juventus

Além de um programa esportivo e de resgata histórico, um jogo do Juventus também pode ser uma experiência gastronômica. Tudo graças a Antônio Pereira Garcia,  vendedor de cannolis que há mais de 40 anos bate ponto no Estádio do Juventus.

Lembra da frase do Poderoso Chefão? “Deixe a arma, pegue os cannoli”? Podemos aplicar a mesma aqui. Você pode ir até o estádio e ficar de costas para o jogo, mas não cometa o crime de não comer um cannoli enquanto estiver no Rodolfo Crespi.

A iguaria é um pequeno tubo feito de massa doce frita recheada de creme de baunilha ou chocolate. A fila assusta no começo, mas com o desenrolar do jogo vai diminuindo. Por isso já sabe, separe a grana para o ingresso e para o doce desjejum também.

Ganhando ou perdendo

Juventus mooca

“Por toda minha alegria / Por toda minha vida / Moleque Travesso / Da Mooca querida / Ganhando ou perdendo / Estou sempre contigo / É meu sentimento / É meu bom amigo/ daleo/ daleo/ daleo….”

Os juventinos não vivem de títulos, vivem de amor ao time. Da alegria de juntar a família para ir ao estádio, comer um cannoli e ver o time grená e branco jogar. O Juventus vive de amor e de ódio.

Ódio ao futebol jogado hoje no Brasil, onde o jogador cair por qualquer falta. Ódio ao esporte onde o que é importa é o patrocinador da chuteira ou da camiseta. Ódio ao ingresso “popular” que custa mais de R$100. Ódio eterno ao futebol moderno. Vida longa ao Juventus.

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »