Não é sua idade: Músicas realmente pioraram, aponta estudo

Muitos de nós já ouvimos pessoas mais velhas dizerem que “a música de antigamente era melhor”. Mas será que isso é verdade?

Músicas realmente pioraram, aponta estudo | Envato Elements

Um estudo recente da Universidade de Innsbruck, na Áustria, causou um alvoroço no mundo da música. A pesquisa, publicada na revista Scientific Reports¹, afirma que a qualidade da música popular diminuiu drasticamente nos últimos 40 anos.

Os autores do estudo analisaram mais de 12 mil músicas em inglês de diferentes gêneros lançadas entre 1980 e 2020. Eles se concentraram nas emoções expressas, na variedade de palavras e na frequência com que expressões difíceis ou incomuns eram usadas.

As letras se tornaram mais raivosas, egocêntricas e repetitivas | Envato Elements

As conclusões são:

  • As músicas se tornaram mais simples, com menos variedade de palavras e estruturas musicais.
  • As letras se tornaram mais raivosas, egocêntricas e repetitivas.
  • O uso de pronomes como “eu” e “meu” aumentou significativamente.

Em outras palavras, as músicas de hoje são menos complexas, menos expressivas e mais focadas no indivíduo.

+ Reserve um tempo para dar boas risadas: Melhores séries de comédia
Tempo livre é mais importante para sua felicidade do que o dinheiro

Sobre a analise do estudo

Musicas estão ficando cada vez mais ruins | Envato Elements

Simplicidade e Repetição

Uma das principais conclusões do estudo é que as letras das músicas estão se tornando mais simples e repetitivas. Os artistas estão usando menos palavras difíceis e repetindo versos com mais frequência, especialmente nos refrãos. Essa tendência pode ser observada em todos os gêneros musicais.

O Caso Bob Dylan

Para exemplificar o que é considerado boa música, os pesquisadores mencionaram a discografia do cantor folk Bob Dylan, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 2016. Dylan é conhecido por suas letras criativas e autênticas, e sua obra serviu como referência para avaliar a qualidade das canções modernas.

Emoções Expressas

Os pesquisadores também analisaram as emoções expressas nas letras. Descobriram que as canções atuais tendem a ser mais raivosas e egocêntricas. Os pronomes “meu” e “eu” são frequentemente utilizados, refletindo uma mudança na forma como nos relacionamos com a música.

Refletindo a Sociedade

Os compositores não são necessariamente culpados por essa mudança. A indústria musical responde às demandas do público, e músicas mais simples são mais fáceis de memorizar. Além disso, as letras refletem a mudança de valores e gostos da sociedade como um todo.

Mas por que isso está acontecendo?

Os autores do estudo acreditam que os compositores estão apenas seguindo as tendências do mercado. A música, como qualquer outra forma de arte, é um reflexo da sociedade em que vivemos. E a sociedade de hoje é cada vez mais individualista, narcisista e polarizada.

Isso significa que a música moderna está apenas espelhando os valores e os problemas da nossa época.

Mas isso não significa que a música de hoje seja necessariamente ruim.

Ainda há muitos artistas talentosos criando músicas bonitas e complexas. Mas o estudo da Universidade de Innsbruck nos convida a refletir sobre o estado da música popular e sobre o que ela diz sobre a nossa sociedade.

Alguns pontos importantes do estudo:

  • O estudo se baseou em músicas em inglês, portanto, os resultados podem não ser aplicáveis a outros idiomas.
  • O estudo não levou em consideração a qualidade da produção musical ou da performance.
  • O estudo é apenas um ponto de partida para uma discussão mais ampla sobre o estado da música popular.

¹ Song lyrics have become simpler and more repetitive over the last five decades

Compartilhe
Weslley Alves
Weslley Alves

Full Stack Developer, empreendedor e eterno estudante de programação, tecnologia e empreendedorismo. Sócio da Ynvolve, razão social do Manual do Homem Moderno, principal hub de conteúdo para o público masculino no Brasil.

Comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso