62% dos brasileiros mantiveram “virtualmente” amantes na pandemia

Segundo pesquisa, dois em cada três brasileiros evitaram ver seus ou suas amantes durante a pandemia. Um terço preferiu se arriscar.

Amantes durante a pandemia

O que você parou de fazer em 2020? Ir  para a aula, o trabalho, academia, cinema ou restaurantes? Bom, muita gente teve que abrir mão até dos amantes. Pelo menos foi isso o que descobriu uma pesquisa recente: dois terços dos brasileiros pararam de ver pessoalmente seus ou suas amantes durante a pandemia.

Os dados são do site de relacionamentos extraconjugais Ashley Madison. Em uma pesquisa com seus membros, a plataforma tentou descobrir como ele conseguiram manter seus relacionamentos extraconjugais durante um tempo com tantas restrições sociais e rígidos protocolos de saúde. Resultado: mais de um terço (38%) dos entrevistados ainda se encontram pessoalmente com seus amantes.

Passando mais tempo com os amantes

Crédito: Reprodução

Quem arriscou a saúde para ver os amantes tem passado mais tempo com eles. Ainda segundo a pesquisa, mais da metade (66%) daqueles que estão vendo seus parceiros pessoalmente agora passam uma média de uma a cinco horas por semana juntos.

Os usuários falam como fazem isso sem ser pegos: usando apenas certos métodos de comunicação acordados previamente (58%), não aparecendo sem aviso prévio (48%) e se reunindo apenas em um local combinado (39%). Obviamente, esses encontros têm acontecido em um hotel ou motel para 44% das pessoas.

Os mais precavidos

Crédito: Reprodução

Entre as pessoas que têm relações extraconjugais, 62% confessam ter abandonado os encontros pessoais. Segundo os entrevistados, eles estão confiando muito em sua conexão emocional com seus parceiros, além da tecnologia e da imaginação para manter a faísca acesa.

Entre as principais precauções que essa galera tem tentado tomar para não correr risco de vida antes de encontrar seus parceiros estão: vacina tomada (44%), cautela (39%), testes negativos para Covid-19 (30%), vacina tomada pelo parceiro (26%) e testes negativos do parceiro para Covid-19 (25%).

Mas e a família?

Crédito: Reprodução

Apesar de ter que tomar medidas adicionais para cometer a infidelidade, os participantes da pesquisa relatam que sua atividade extraconjugal não diminuiu o tempo pessoal que eles têm em casa. A maior parte do tempo é dedicado à família e ao cônjuge (37 horas por semana) junto com o trabalho (35 horas por semana) e a traição leva também cinco horas do seu tempo.

Compartilhe
Felipe Blumen
Felipe Blumen

Historiador, jornalista de lifestyle e fã de foguetes, Corinthians, gibis e outras bagunças.

Comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso