5 artistas que tiveram relações próximas com o Crime Organizado

As relações entre artistas de todos os tipos e o Crime Organizado não são novidade. Veja alguns casos para entender como funciona.

Artistas relacionados com o Crime Organizado

Se você já viu “O Poderoso Chefão” ou documentários sobre a máfia italiana nos Estados Unidos, sabe que a relação entre artistas conhecidos e o mundo do Crime Organizado às vezes é muito próxima. Inclusive no Brasil.

Alguns desses casos são conhecidos pelos fãs e assumidos pelas próprias celebridades. A maioria reconheceu que já passou por momentos difíceis antes da fama e acabou se envolvendo no crime, enquanto outros seguem “membros” de gangues até hoje.

Conheça a seguir alguns dos artistas que têm ou tiveram relações muito próximas com o Crime Organizado.

Frank Sinatra

Crédito: Reprodução

Caso mais famoso de um artista ligado à máfia italiana, embora a relação do cantor com os criminosos nunca tenha sido oficialmente assumida e contada. Os pais de Sinatra eram amigos de gangsters como Meyer Lansky, Bugsy Siegel, Dutch Schultz e Lucky Luciano, e o artista foi até chamado como testemunha em um caso de lavagem de dinheiro. O personagem Johnny Fontane, de “O Poderoso Chefão”, foi inspirado nele e, conta-se, Sinatra chegou até a mediar a relação entre os mafiosos e o presidente John F. Kennedy.

Já contamos mais sobre essa relação entre Sinatra e a Máfia neste texto e também em nosso podcast, que você pode ouvir abaixo.

James Caan

James Caan, um dos artistas com relações no Crime Organizado

Ainda no universo de “O Poderoso Chefão”, James Caan é conhecido por seu papel como o filho impetuoso e passional Sonny Corleone. No mundo real, contudo, o próprio Caan teve relações estreitas com a máfia italiana. Em 2011, o ator se ofereceu para pagar a fiança de Andrew “Andy Mush” Russo, um poderoso membro da família mafiosa Colombo, após o mafioso ter sido pego pelo FBI. O relacionamento de Caan com os Russos – especialmente pelo fato de que Andy Mush ser o padrinho do filho de Caan – deu ao ator uma boa reputação em Nova York, o que o ajudou em sua carreira.

Danny Trejo

Crédito: Reprodução

Não é só graças a sua cara de mau e suas habilidades cênicas que Danny Trejo consegue interpretar ótimos vilões em filmes. O ator americano de origem mexicana viveu uma vida de criminalidade antes de conseguir trabalho como astro de ação em Hollywood. Ele conta que já foi baleado, esfaqueado, preso e torturado – e hoje dá palestras motivacionais em presídios dos EUA.

Cardi B

Cardi B

A rapper – e fã de sertanejo – Cardi B foi (ou continua sendo, segundo ela mesma) membro da gangue Bloods da Costa Leste dos Estados Unidos. Cardi já falou abertamente sobre a “estupidez” de se juntar a uma gangue na juventude, mas também nunca negou que ainda faça parte da facção criminosa.

Snoop Dogg

Snoop Dogg

O rapper é afiliado à gangue Crips, rival dos Bloods de Cardi B citados acima. Entre os sinais dessa ligação estão as famosas bandanas azuis da gangue que aparecem na capa de seu EP “Make America Crip Again”.

Se você curte histórias de máfia, veja essa lista de séries sobre gangsters e mafiosos.

Compartilhe
Felipe Blumen
Felipe Blumen

Historiador, jornalista de lifestyle e fã de foguetes, Corinthians, gibis e outras bagunças.

Comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso