O Ponto G não existe?

Deparo com a notícia de uma pesquisa realizada por cientistas ingleses afirmando a inexistência do ponto G. Formais como sempre, os britânicos tiveram que recorrer a 1800 mulheres para chegar à conclusão de que a tal zona erógena era apenas um mito para ajudar a vender revistas femininas.


Ponto G não existe: Cabral, descobriram a América!

Ironias à parte, é duro crer, mas esta informação acima ainda deixa muitos homens assustados. Não é para menos, o mito do ponto G está para muitos como o Papai Noel e o coelhinho da Páscoa para os pequenos. Embora você desconfie que eles não existam, é sempre duro encarar a verdade dita na lata.

Mas, se você não acha que sexo é só uma coisa suja que os depravados fazem e os filmes pornôs reproduzirem, pode parar um pouco para raciocinar e perceber que essa coordenada nunca poderia ter existido.

Uma porque o tal Ponto G já nasceu errado. Seu nome foi criado para homenagear o ginecologista alemão – com nome estranho e sobrenome que começa com G -, que ‘descobriu’ nos anos 60 a tal localidade. Não consigo por hora afirmar se o fez por meios empíricos ou teve que colocar a mão na massa para achar a resposta – considero não tão segura a primeira alternativa, e a segunda, se foi encontrada durante o expediente de trabalho, não foi das mais éticas.

Agora imagine a dita zona mais erógena do corpo feminino, aquela que guarda o prazeres mais intensos da mulher, reduzida a inicial de um sobrenome masculino. Não é muita pretensão nossa?

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Cinquenta anos depois de ‘descobrirem’ o paraíso da mulher, muitos outros pontos femininos foram achados (A e U são dois deles), o Viagra ajudou na paumolecência de muitos pobre-coitados e, mesmo assim, isso tudo não foi suficiente para aplacar o descontentamento de nossas fêmeas quando o assunto é sexo (isso justifica a profissão de Ricardão estar tão em alta no mercado).

Não é preciso ter doutorado em Kama Sutra pra perceber que esse mapa da mina é muito mais complexo do que indicam por aí.

Assumo que fiquei curioso e fui parar até no Wikipédia para ver como a web definia o GPS para a área. Afirmo de antemão que, com os passos seguidos por lá, qualquer ser desprovido de cérebro conseguiria alcançar o nirvana feminino em poucos minutos. Igualzinho a realidade, não?

O fato é que o corpo da mulher é tão complexo quanto seu computador central. Os anseios e vontades femininos acompanham, limitam e influenciam seus desejos. Aquilo que pode não ser bom para uma, cabe perfeitamente em outra (agradecemos as mulheres pelo seu gosto variado).

E é essa a parte mais fascinante e apaixonante desse ser. Ter a possibilidade de conhecê-la em sua complexidade e desvendar seus segredos. Cada mulher conserva seu mapa da mina, suas rotas e atalhos, cabe ao homem a paciência e a dedicação para investir em cada aventura inédita.

É óbvio que elas precisam conhecer o próprio corpo, suas vontades e desejos para poder cobrar do parceiro suas necessidades. De resto, se formos um pouco mais prestativos, bons ouvintes e sem pudores, poderemos oferecer prazeres que chocolate e tardes de compras jamais dariam. Afinal, já ouvi dizerem por ai que o importante é o carinho, o  pinto vem junto. Você discorda?

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »