Você conhece o distúrbio que fecha a vagina e impede o sexo?

Cerca de 5% da população feminina encara esse problema que impede qualquer penetração e acaba com a possibilidade de iniciar uma relação sexual.

Enquanto muitas mulheres sentem dificuldade em relaxar mas, depois de uma boa preliminar e da dedicação dos parceiros, conseguem até atingir o orgasmo, outras simplesmente bloqueiam e travam a vagina em uma contração involuntária.

Para essa porcentagem, nem a melhor preliminar do planeta consegue resolver o problema. A dor durante a penetração é tanta que o ato se torna impossível.

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Como acontece o distúrbio que fecha a vagina?

Essa condição, conhecida como Vaginismo, é muito séria e precisa ser tratada. Na Universidade Federal de São Paulo existe um centro de apoio e tratamento do distúrbio e ele é coordenado pela ginecologista e sexóloga Carolina Ambrogini. Ela explica que, na maioria das vezes, a causa do problema é psicológica.

Como já dissemos aqui no MHM, o orgasmo feminino é algo bem mais delicado e normalmente mais difícil de ser alcançado justamente por travas sociais derivadas de séculos e também por despreocupação dos parceiros. No caso do Vaginismo, o bloqueio é ainda mais intenso e impede até a penetração. Muitas vezes, traumas e abusos podem estar diretamente relacionados ao distúrbio.

Existem níveis de Vaginismo e também reações diferentes. Os espasmos são causados por contrações involuntárias do músculo do assoalho pélvico ao redor da vagina e, em alguns casos, os espasmos do Vaginismo podem começar a causar ardência ou dor durante a penetração. Enquanto em outros, a penetração pode ser difícil ou simplesmente impossível de ser realizada.

Existem mulheres que nunca conseguiram transar por causa do distúrbio, e outras que desenvolveram o problema ao longo da vida.

Tem tratamento?

Assim como acontece em vários distúrbios, o tratamento do Vaginismo depende de cada caso, mas, normalmente, são realizados exercícios de relaxamento da musculatura vaginal, técnicas de respiração, inserção de dilatadores vaginais e psicoterapia.

Na Unifesp, o tratamento é gratuito mas, primeiro, é preciso agendar uma palestra geral sobre sexualidade na universidade. Depois, a paciente é encaminhada para uma consulta onde o médico vai identificar a origem do problema. Além do tratamento com o ginecologista, a mulher é encaminhada para uma equipe de psicólogos, fisioterapeutas e outros especialistas.

Apoio dos maridos e namorados

Muitas mulheres acabam evitando o tratamento ou sequer sabem da sua existência pois acabam tendo experiências sexuais alternativas. Afinal, segundo a doutora Ambrogini, os maridos e namorados de suas pacientes deixam a penetração de lado e fazem sexo de outras formas.

Chocante, mas real.

Por isso, na maioria das vezes, as mulheres estendem o problema e evitam o tratamento. Quando elas finalmente resolvem procurar ajuda médica, já estão desanimadas e com baixa autoestima, o que dificulta ainda mais o tratamento psicológico mas, mesmo assim, é fundamental procurar assistência pois o distúrbio tem, sim, cura e a taxa de sucesso é extremamente alta.

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »