Descubra o que é stealthing e como isso pode acabar com a sua vida

Você pode não conhecer a prática pelo nome, mas pode praticá-la há tempos e, sem saber, estar colocando a sua vida e a vida de outras pessoas em risco.

Em fóruns e sites, grupos de homens trocam informações e incentivam a prática do “stealthing” (“stealth” significa furtivo, oculto): a remoção da camisinha pelo homem durante o sexo, sem haver consentimento da parceira.

Sim, isso existe e você já deve ter ouvido falar de alguém que praticou esse tipo de coisa. Por sadismo, maldade, egoísmo, falta de caráter – ou tudo isso junto – muitos homens estão praticando essa atitude inconsequente e cruel com as mulheres com as quais se relacionam.

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

A advogada americana Alexandra Brodsky estava procurando vítimas que sofreram esse ataque e, na sua busca, encontrou diálogos entre os próprios agressores. O resultado foi publicado no dia 20 de abril, no jornal de gênero e direito da Universidade de Columbia, e divulgado aqui no Brasil no jornal Nexo. O estudo leva o nome de “Rape-Adjacent’: Imagining Legal Responses to Nonconsensual Condom Removal” – em tradução livre: “Análogo ao estupro: imaginando respostas legais para a remoção não consensual de preservativo” – e tem o objetivo de nomear uma experiência compartilhada por várias mulheres, e prever possíveis consequências jurídicas para quem comete esse tipo de atitude.

O título do artigo compara a prática ao estupro, e, segundo a advogada, isso tem total sentido, afinal, um dos indivíduos está sujeitando o outro a um ato que não lhe foi permitido.

Infelizmente, não há estatísticas sobre o número de casos de stealthing no Brasil. Por ser pouco conhecida e também por não ser totalmente reconhecida como violência sexual, é difícil mensurar a quantidade de atitudes como essa que acontecem no país.

Além disso, muitas mulheres não sabem que sofreram esse abuso, e as poucas que sabem, descobrem apenas quando realizam algum exame e descobrem alguma DST ou até mesmo uma gravidez.

No entanto, uma advogada consultada pelo jornal Nexo, que trabalha no escritório de advocacia Braga & Ruzzi – especializado no atendimento de mulheres – e o Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde afirmam que esses casos existem no Brasil, e infelizmente ocorrem com frequência.

 

 

A prática é, sim, uma forma violência

Descubra o que é stealthing e como isso pode acabar com a sua vida

O artigo desenvolvido pela advogada diz que a retirada do preservativo faz com que a relação que ocorria de forma consentida (afinal, a mulher concordou em ter uma relação sexual protegida) passe a ser não consentida, e, portanto, se torna uma violência. Um estupro: “Situar a remoção não consensual de preservativo dentro da ampla categoria de violência de gênero revela que a prática é um ato antiético com consequências concretas, psíquicas e políticas para as vítimas. Feministas trabalharam por muito tempo para tornar esse tipo de dano reconhecível tanto na lei civil quanto penal” diz Alexandra Brodsky no estudo “Rape-Adjacent’: Imagining Legal”.

Se você praticar isso contra qualquer pessoa, pode responder legalmente. 

As mulheres que são vítimas de “stealthing” estão amparadas pela lei brasileira caso queiram denunciar o ocorrido, segundo a advogada Marina Ruzzi.

Em entrevista para o jornal Nexo, ela disse que, infelizmente, o crime provavelmente não vai ser caracterizado como estupro. Porém, quem o praticou pode ser punido pelo risco de contágio venéreo intencional oferecido por uma das partes e a relação sexual mediante fraude. Afinal, segundo o artigo 215 do Código Penal, é crime ter “conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima”. A pena vai de dois a seis anos de prisão.

Além de colocar a vida de outra pessoa em risco, você também pode estar se arriscando diante da lei e correndo sérios riscos de contrair alguma doença.

Muitas pessoas podem praticar esse ato sem o objetivo direto prejudicar a parceira, muitos homens podem acreditar que uma rapidinha sem camisinha não vai resultar em problemas mais graves: mas essa rapidinha pode, sim, acabar com a sua vida e com a vida da garota que aceitou transar com você. Então, tenha plena consciência dos seus atos e saiba que você pode responder criminalmente pela sua atitude.

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »