Cientistas descobrem por que pessoas têm tendências a engordar (e outras não)

Shutterstock

Todo dia você faz uma dieta controlada, atividades físicas, se mata para perder algumas gramas e continua com uns quilos a mais. Enquanto isso, aquele seu amigo que é magro de ruim se empanturra de fast food, álcool e, ainda assim, mantem o corpo em forma.

Os resultados de um novo estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) pode contribuir, enfim, para achar a resposta disso acontecer. Ele descobriu porque algumas pessoas têm a tendência para engordar enquanto outras, que chegam a ingerir mais alimentos, não.

A pesquisa localizou o circuito genético que controla nosso metabolismo do corpo a queimar ou armazenar gordura. Os cientistas descobriram, através da manipulação genética, que o circuito funciona como um interruptor mestre e pode oferecer uma nova abordagem para tratamentos de obesidade.

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Os pesquisadores finalmente compreenderam como o gene ligada à obesidade faz com que as pessoas engordem. Esta importante descoberta poderia abrir a porta para novas possibilidades de gestão de peso, além da abordagem de exercícios e dieta tradicional.

Shutterstock

Desde o ano de 2007, os cientistas estavam lidando com um grande mistério. Eles sabem que o gene FTO está relacionada com a obesidade, mas não sabia como. Isso faz com que algumas pessoas tenham um organismo sempre disposto a acumular mais e mais, enquanto outras gastam energia e queimam gordura como se não houvesse amanhã.

De acordo com a pesquisa, a diferença entre ser magro e gordo é uma única letra em um gene na região FTO. Quando ela é um T (timina), as células queimam energia. Quando ela é um C (citosina), essa capacidade é suprimida. Isso funciona através da ativação ou desativação entre dois genes distantes, o IRX3 e o IRX5.

Os cientistas testaram mudar essa letra em células de gordura tiradas de europeus saudáveis, com ou sem risco de obesidade. O resultado foi que as células brancas, que armazenam gordura, transformaram-se em células “beges”, que queimam. Em ratos, a mudança deu a eles “resistência completa” a uma dieta hipercalórica.

Estes resultados dão esperança de que logo uma droga ou tratamento pode ser concebido para inverter a obesidade em pessoas.

A descoberta é extremamente importante porque contraria a noção de que as pessoas são afetadas pela obesidade por causa de suas próprias escolhas erradas, de acordo com a líder do estudo, Melina Claussnitzer, especialista em genética na Universidade de Harvard.

Agora que descobrimos que o excesso de peso não é só culpa de quem o tem, é esperar para que um remédio seja criado e possa diminuir os malefícios da obesidade.

 

 

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »