Passeio de Bicicleta no Centro de São Paulo

Nossa Bike Parada Vital

Inspirado pelo mega post do Leo que fez a descida de bicicleta para Santos , resolvi aderir o movimento pró bike também. Porém, eu tinha um grande problema, estou sem nenhuma bicicleta em casa, e sem dinheiro para comprar uma nova (por enquanto).

A sorte foi que descobri o projeto Nossa Bike, do Instituto Parada Vital, que possui quiosques nas mais diversas estações de metrô de São Paulo. Foi o pretexto perfeito para testar o serviço e dar um rolê de bike por um dos meu lugares favoritos de São Paulo: O Centro.

Meu plano inicial era pegar a bicicleta na estação Paraíso e descer a Brigadeiro Luís Antônio. Mas ao chegar na estação, não haviam bicicletas disponíveis. Mudei então o rumo do meu trajeto e fui alugar a bike lá na Vila Madalena. O cadastro foi simples: precisava só de rg, cpf, comprovante de residência (com cópia de todos eles) e um cartão de crédito. A primeira hora é grátis e cada hora extra sai por R$ 2.

O único problema foi que mudar o início do trajeto para a Vila foi uma péssima idéia.  Comecei o caminho tendo que encarar a subida da Pompéia, que além de ser acentuada é bem movimentada. Graças a Deus a ladeira foi compensada com uma agradável descida na Rua Diana.

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Parque da Água Branca

Do Palestra Itália segui até a Avenida Água Branca, passando pela frente do Parque da Água Branca (foto acima). Dali, entrei na Amaral Gurgel, onde segui até a estação Marechal Deodoro. Meu tempo até aqui foi horrível, tanto por não estar aquecido o suficiente, como por ter que parar para tender o telefone, entre outros perrengues, mas daqui em diante eu consegui estabelecer um ritmo de pedalada bom.

Cortei por dentro da região dos Campos Elíseos, onde pude fugir um pouco do trânsito e pegar ruas sossegadas e cheias de árvores. Segui por uma rota mais interna até o Largo do Arouche, região que eu não conhecia direito.

Praça da República

Segui então até a praça da República (foto acima), só para bater cartão em mais em ponto turístico. De lá fui para a Avenida São João e cheguei até a Ipiranga, o cruzamento mais famoso da cidade, não é mesmo Caetano? Uma pena a região estar tão abandonada.

Passei pelo Cine Marabé, um cinema de rua fantástico, que recomendo a todo paulistano visitar um dia. Também passei pela Galeria do Rock (cuja frente é intransitável de bicicleta, tive que descer e empurrar por causa da multidão que fica naquela rua) e cheguei até o fantástico Theatro Municipal.

A frente do teatro tinha acabado de ser lavada pela prefeitura  e ele estava com uma aparência impecável. A arquitetura do lugar é fantástica e dá para passar horas reparando em detalhes da fachada do local. Dali, atravessei o viaduto do chá, passei em  frente ao Largo São Francisco e fui para meu local favorito do centro: A Catedral da Sé.

A Catedral é um edifício lindo e onipotente na praça. Fica difícil conseguir tirar uma foto que a pegue em todo seu tamanho. Minha idéia inicial era teminar o trajeto aqui, mas como ainda estava bem disposto, resolvi dar meia volta deixar a bicicleta na estação Barra Funda de metro.

Passei pelo Marco Zero, pelo Pátio do Colégio e fui em direção a Estação da Luz (Foto abaixo).  Dali, dei um pulo para visitar a estação Júlio Prestes, um lugar muito bonito e acredito que pouco visitado. Da Júlio Prestes, segui pela Avenida Rio Branco, cortei para a Rua Barra Funda, passei pelo Memorial da America Latina e finalmente alcancei o metro.

Estação da Luz

No total, foram 23 km em pouco mais de 2 horas de pedalada, passando por inúmeros pontos turísticos da cidade que todo paulistano tem que conhecer. Pelo aluguel da bike gastei apenas R$2, preço justíssimo por um equipamento em bom estado, que veio acompanhado de capacete. Aprovei o serviço do Nossa Bike e pretendo fazer outros passeios.

Confira um saldo geral do rolê.

Pontos positivos do passeio pelo Centro

  • Você passa por diversos pontos turísticos da cidade além de ver de perto uma arquitetura muito bonita. Certos prédios estão abandonados, mas mesmo assim dá para sentir o clima de uma São Paula antiga. Para quem curte a cidade, vale muito a pena;
  • A região central é bem plana (se você evitar o vale do Anhangabaú). Para quem está começando, como eu, dá para pedalar sossegado e manter um ritmo bom;
  • Por ter vias estreitas e muitas pessoas nas ruas, os carros e ônibus que transitam no centro andam bem devagar. Boa para quem ainda não tem confiança de pegar uma via muito movimentada.

Pontos negativos do passeio pelo Centro

  • Não recomendo quem não conhece as ruas do Centro fazer o passeio sozinho. Apesar da região estar bem policiada, uma curva errada você pode ir parar em diversas quebradas do Centro. Não custa nada não dar trela pro azar;
  • Apesar de ter várias bares e restaurantes na região, não há nenhum parque (que eu tenha passado) com bebedouros públicos onde fosse possível encher minha garrafa de água.
  • O número reduzido de carros é compensado pelo número excessivo de pessoas e ambulantes. Em certos trechos, tive que de descer da bike e empurrar.

Confira minha rota e desempenho que eu registrei através do aplicativo  Endomondo para iPhone.

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »