10 Melhores Cervejas do Mundo em 2012

10 Melhores Cervejas do Mundo em 2012

No dia 5 de maio, San Diego (EUA) foi palco da World Beer Cup, o evento considerado a Copa do Mundo da Cerveja, reunindo especialistas para eleger as melhores cervejas em diversas categorias. Realizado de dois e dois anos, ela é semelhante ao South Beer Cup, que falamos há duas semanas na lista de 10 melhores cervejas do Brasil em 2012.

As melhores Cervejas do Mundo em 2014
+ Conheça as melhores Cervejas do Mundo em 2013
+ Confira as campeãs do Festival Brasileiro de Cervejas 2014

Neste ano, o World Beer Cup avaliou 3921 marcas, de 799 cervejarias – 12 delas do Brasil – em 54 países. Das 97 categorias concorrentes, a grande vencedora da noite foram às cervejarias norte-americanas. Apesar das inúmeras marcas brasileiras ganhadoras do South Beer Cup estarem competindo, na América do Sul só a Argentina e a Bolívia foram premiadas.

Como nem todas são vendidas por aqui, montei uma seleção das 10 melhores cervejas do mundo em 2012 que você pode encontrar (ou encomendar) por essas bandas. Confira o ranking e aproveite para tomar as que ainda não experimentou.


Quilmes Cristal (4,9% teor alcoólico): a Argentina que levou medalha de ouro na categoria light tropical e latino-americana, é uma pilsen bem encorpada e de boa qualidade, mais forte que as populares vendidas aqui no Brasil. No país de origem é, de longe, a mais vendida. Ela foi batizada a partir do antigo nome indígena da localidade onde a fábrica foi instalada.
Fabricação: Cervecería y Maltería Quilmes, Buenos Aires, Argentina
Samuel Adams Utopias 2011 (27% teor alcoólico): essa cerveja ganhou na categoria Strong Beer envelhecida em barris de madeira. O rótulo tem o maior teor alcoólico do mundo para cerveja. A fabricação dela acontece a cada 2 anos em lotes de apenas 8 mil unidades. Ela é feita de um blend de envelhecido em barris de madeira por 18 anos, que aumenta as notas de baunilha e cacau da cerveja e gera um aroma de gengibre e canela. Ela é destinada a ser consumida em temperatura ambiente, em copo de conhaque.
Fabricação: The Boston Beer, Estados Unidos

 

Starobrno Lezak (5% teor alcoólico): o país berço das cervejas tipo Pilsen não poderia deixar de ganhar o ouro na categoria Bohemian Pilsener . Esta cerveja premium puro malte é produzida com os melhores maltes da Moravia e os melhores lúpulos da Bohemia. No início, a cerveja era produzida em conventos e monastérios existentes perto da cidade de Brno. A coloração é dourada escura, creme denso e persistente. No aroma também se apresenta uma leve sensação frutada.
Fabricação: Heineken Czech Republic, Kru’ovice, República Checa

 

 Weltenburger Kloster Urtyp Hell (4,9% teor alcoólico): a genuína representante da tradição da Baviera ganhou o 1º lugar no estilo Münchner Helles. A cerveja puro malte do tipo Pilsen segue à risca a receita original da região Alemã, oferecendo uma bebida de coloração amarelo ouro, encorpada, com um leve toque de malte e um forte e agradável aroma.Fabricação:Löwenbrauerei Passau, Passau, Alemanha

Leffe Brown (6,5% teor alcoólico): medalha de ouro na categoria Dubbel, esta cerveja é produzida desde o século 13 pelos monges da Abadia Belga de Leffe. Seu sabor robusto apresenta uma combinação entre seu pronunciado aroma de caramelo torrado e um toque levemente adocicado no final. A tradicional receita é a mesma desde 1240. A marca Leffe é a cerveja tipo Abadia mais consumida no mundo.
Fabricação: AB InBev, New York, NY, Estados Unidos

Westmalle Trappist Tripel (9,5% teor alcoólico): número um na categoria Tripel, a cerveja é considerada a mãe de todas do estilo. Foi produzida pela primeira vez no ano de 1934, em um monastério e mantem a receita desde 1956. A cerveja trapista é dourada, tem um creme denso, consistente, com aroma de nozes, canela e frutas cristalizadas. No final, oferece um amargor no fundo da língua.
Fabricação: Westmalle Trappist Brewery, Westmalle, Bélgica

 

Paceña Pico de Oro (5,2% teor alcoólico): ouro no estilo Internacional Lager, a cerveja boliviana ganhou esse nome por causa da folha de alumínio que cobre a tampa. De coloração amarelo-palha e aroma levemente maltado, é a cerveja mais consumidas na Bolívia. A bebida tem um bom drinkability, é refrescante, e se assemelha aos rótulos pilsen consumidos aqui, porém com um gosto mais marcante. O fermentado ganhou fama por ser feito com água da Cordilheira dos Andes. Apesar de ser encontrada só por encomenda, já é uma boa desculpa para visitar o país vizinho.
Fabricação: Cervecería Boliviana Nacional, La Paz, Bolívia

Baltika 8 (5% teor alcoólico): a cerveja russa levou a medalha de prata na categoria hefeweizen ao estilo do sul da Alemanha. Ele é um dos rótulos da segunda maior cervejaria da Europa, que exporta para mais de 60 países. Este fermentado é feito de acordo com uma receita especial utilizando malte e trigo. Ela é caracterizada por uma densa espuma espessa aroma leve de frutas, como banana.
Fabricação: Baltika Brewery, Russia

 

Brooklyn Black Chocolate Stout (10% teor alcoólico): o segundo lugar agora para a norte-americana na categoria Imperial Stout de estilo britânico. São usadas três brasagens (uma das etapas da produção de cerveja, na qual o amido dos grãos de cevada é convertido em açúcar, gerando um caldo doce que será depois fervido e fermentado) para fazer cada lote desta cerveja, alcançando um profundo sabor de chocolate escuro de uma mistura de maltes especialmente torrados. Disponível somente entre outubro a março e uma vez foi feita exclusivamente para a Catarina, a Grande.
Fabricação: Brooklyn Brewery, EUA

Schneider Ta p 7 (5,4% teor alcoólico): a alemã conquistou a prata na categoria Ale Escura de Trigo ao estilo Alemão. Com sua típica e exclusiva coloração âmbar, é diferente das demais cervejas de trigo não somente pela cor, mas principalmente pelo sabor. Elaborada com fermentação superior, a cerveja tem uma persistente espuma com boa aderência ao copo. Aromas de cravo e noz-moscada são sentidos no nariz. Termina com uma sensação gasosa e um leve amargor. É produzida na mais antiga cervejaria de trigo da Baviera.
Fabricação: Weissbierbrauerei G. Schneider & Sohn, Alemanha


Fontes: site Brejas
Autor Leonardo Filomeno

Jornalista, Sommelier de Cervejas, fã de esportes e um camarada que vive dando pitacos na vida alheia - no G+