Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Há muito mais de instinto de sobrevivência no homem do que se pensa. No que diz respeito ao ato sexual, os homens mais “apressados” não conseguem evitar a ejaculação após três minutos de penetração.

E isso separa-os da mulher, que precisa de uma média de sete para ter satisfação. “Nunca se encontram”, refere o urologista Vaz Santos.

O médico descarta, no entanto, que este intervalo seja uma doença e aconselha a trabalhar o que separa o homem do animal: o erotismo.

Simplificando: nós somos seres evoluídos e não só devemos, como podemos, mudar a maneira como respondemos aos nossos instintos, afinal, você não anda por aí fazendo cocô na rua, anda?


Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Bom, onde estamos querendo chegar com isso? A resposta é simples. Por esse fator biológico e instintivo e, é claro, somado ao fato assustador de que, no Brasil, cerca de 50% das mulheres relataram ter dificuldades em atingir o orgasmo com a penetração segundo uma pesquisa realizada pelo Projeto de Sexualidade da USP (ProSex).

Os motivos apontados na pesquisa? Vergonha, receio, falta de intimidade, consciência pesada por questões morais, hormônios bagunçados e até falta de conhecimento do próprio corpo.

O orgasmo feminino ao longo da história – e por que parece haver tanta dificuldade em discuti-lo

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Ao longo da história ocidental, o orgasmo feminino foi apagado inúmeras vezes.

Embora certamente tenha sido marginalizado, mal entendido, mal diagnosticado, sub-priorizado e mal discutido, a história do orgasmo feminino é mais sobre “repressão quebrada por breves surtos de interesse e desenvolvimento fervorosos” do que “universalmente ignorada até os anos 1960 e quando a série Sex & The City fez todas as mulheres comprarem vibradores.~

E saber disso é importante: nos dá uma boa compreensão de até onde chegamos e (esperançosamente) para onde estamos indo. O orgasmo feminino não é um unicórnio, é uma raça incompreendida de cão de raça pura: comum, frequentemente temida, ocasionalmente na moda ao longo da história, e capaz de dar grande felicidade se bem treinada.

O que também é interessante é ver como a discussão sobre o orgasmo feminino continua carregando elementos antigos. Algumas teorias medievais, como veremos, na verdade ainda são discutidas por políticos (apesar de serem um disparate completo), e idéias sobre seu papel no jogo da reprodução são divulgadas décadas depois de terem surgido pela primeira vez.

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Ao contrário do que você pode estar adquirindo em romances medievais, a teoria científica medieval da reprodução sexual teve um papel bastante forte no orgasmo da mulher. Ou seja, eles achavam que era absolutamente necessário fazer a mulher gozar para que ela engravidasse. Como uma ideia, isso aparece em uma série de textos medievais, a partir do século XIII.

Porem, os homens não sabiam se as mulheres realmente estavam gozando – e, além disso: as mulheres também não sabiam se estavam porque esse conceito baseava-se na ideia de que os órgãos sexuais das mulheres eram exatamente como os dos homens, porém “invertidos”, o que obviamente significava que as mulheres ejaculavam de alguma forma também – daí a exigência de um orgasmo feminino e masculino.

Mas, como a gente sabe, não é isso que acontece e a anatomia é relativamente diferente. Por isso, essa ideia de que a mulher deveria alcançar o orgasmo na verdade apenas trazia confusão e falta de informação.

O problema com isso, como você já deve ter adivinhado, é que ele ainda está sendo usado para pessoas que legitimam estupro, como Todd Akin, que acha que o prazer feminino é necessário para conceber um bebê, o que significa que se você for estuprada e ficar grávida, você precisou ter gozado, e por isso não pode ter sido estupro.

A histeria de 1800

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Esta é a parte da história do orgasmo feminino com a qual todos tendemos a nos familiarizar: o fato de a tensão sexual feminina ter sido diagnosticada como “histeria” ou “ventre vagante”, uma espécie de condição nervosa específica do sexo feminino que levou uma mulher completamente insana para uma necessária massagem pélvica para aliviar seus níveis de loucura.

Pois é: em vez dos parceiros sexuais explorarem o sexo como uma troca, eles literalmente não se preocupavam com o prazer de suas esposas e, por isso, além de mandá-las para um médico masturbá-las, acreditavam que elas estavam loucas.

Embora isso eventualmente tenha levado à invenção do vibrador por médicos que não poderiam se incomodar em perder tempo manipulando as partes íntimas de seus pacientes para impedi-las de enlouquecerem, isso não era algo muito bom para as mulheres – como você deve ter percebido.

Ter um orgasmo pode ser visto como uma necessidade médica para evitar que seu útero o afunde na parede – orgasmo como patologia, em outras palavras – não é nem divertido nem particularmente útil para a ideia de que maridos e parceiros possam querer dar prazer para as mulheres.

A masturbação feminina e os anos 1940

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

A enorme pesquisa sexual do cientista Alfred Kinsey nos anos 1940 fez muito para desmistificar o orgasmo (e muitos outros comportamentos sexuais). Ele foi bem minucioso e descobriu alguns fatores interessantes que ainda influenciam a forma como pensamos sobre os orgasmos femininos e como eles são alcançados hoje.

Seu Kinsey Report, que foi um grande sucesso, relatou, entre outras coisas, que 40% das mulheres pesquisadas tiveram seu primeiro orgasmo por masturbação e 5% por “sonhos molhados”, e 14% relataram o fenômeno dos orgasmos múltiplos. que as habilidades orgásmicas das mulheres aumentam antes de se reduzirem aos 55-60 anos.

Essa franqueza sobre a experiência sexual, as diferenças pessoais nos hábitos sexuais e o amplo leque de possibilidades para o prazer tornaram o orgasmo feminino menos uma besta esquiva e mais um fato concreto. Você não pode discutir com estatísticas.

A revolução sexual dos anos 1960

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Agora que o orgasmo feminino era completamente “validado” e reconhecido como algo real (pelo menos nos círculos científicos), os argumentos começaram a se enfurecer sobre o que era o orgasmo feminino.

No livro de 1967, The Naked Ape, Desmond Morris argumentou que o orgasmo feminino poderia ter se desenvolvido para fazer com que os machos provassem que tinham determinação, delicadeza, ternura e todas as outras qualidades necessárias: um bom pai para um bom pai crianças. (Ele também sugeriu que poderia aumentar a possibilidade de concepção “derrubando a mulher” e mantendo-a na horizontal, de modo que o espermatozoide pudesse alcançar o óvulo com mais facilidade, o que é um total absurdo.)

No entanto, outros cientistas sugeriram uma variedade de outras hipóteses: que o orgasmo feminino não tem nada a ver com a monogamia, mas uma maneira de se relacionar com múltiplos parceiros sexuais; que é uma maneira de ajudar a fertilidade “sugando” o esperma através de espasmos vaginais; e que ter um orgasmo aumenta a probabilidade de uma mulher ter muito sexo, melhorando assim a probabilidade de que a espécie sobreviva. (O que é justo o suficiente.)

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Porem, ninguém ainda está 100% certo em uma explicação definitiva.

A equipe científica Masters e Johnson, as estrelas retratadas na série Masters Of Sex, produziam estudos detalhados durante os anos 60 que provavam, entre outras coisas, que orgasmos múltiplos eram definitivamente uma coisa real e que os orgasmos podiam ser alcançados por dentro da vagina (no famoso “ponto G”, uma espécie de parte interna do clítoris, ou por meio a estimulação clitoriana).

O conhecimento definitivamente passou a fortalecer as mulheres.

Tá, mas o que eu tenho a ver com isso?

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Mais do que você pensa.

O orgasmo feminino é quase sempre visto como uma difícil e quase misteriosa conquista, mas não só para as mulheres: um estudo recente, realizado por pesquisadores da Universidade do Michigan, nos EUA, investigou o impacto do tema sobre a masculinidade dos homens.

O resultado sugere o quanto o senso de masculinidade pode ser também definido pela capacidade dtao homem em “fazer” sua parceira alcançar o clímax sexual.

Participaram da pesquisa 810 homens heterossexuais com 18 anos ou mais, ao quais foi sugerido um exercício de imaginação: os cientistas pediram que os participantes se imaginassem tendo relações sexuais com uma mulher atraente, e depois relatasse como os cenários os faziam sentir.

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

Segundo os resultados, ver a parceira atingir o orgasmo é uma das mais satisfatórias experiências sexuais para a vasta maioria – e que tal “conquista” faz os homens se sentirem “mais masculinos”.

A pesquisa, no entanto, também descobriu que o histórico da mulher (se ela foi capaz de atingir orgasmos com parceiros anteriores), assim como a desigualdade de gêneros em um relacionamento não eram tópicos importantes para esses mesmos participantes.

Ou seja: tal afirmação, segundo os cientistas, sugere que o orgasmo feminino, para os homens, é mais uma conquista de seu próprio ego do que sobre o prazer da mulher.

Então, respondendo a pergunta inicial que incluí no título desta matéria, o que poucos homens fazem mas todos deveriam fazer é algo bem simples: relaxar a mulher e se focar no prazer delas por um tempo, não para se sentir melhor sobre si mesmo ou para se sentir mais másculo, mas para transmitir com ações que o prazer sexual dela também é importante e deve ser alcançado.

Quase nenhum homem faz isso durante o sexo, mas todos deveriam fazer!

O ideal, inclusive, seria fazê-la gozar antes de você por um motivo bastante convincente: você ainda estará excitado e empolgado se gozar depois dela, o que torna mais natural qualquer forma de estimulação para que ela alcance o orgasmo. Afinal, é bem melhor fazer sexo oral e masturbar uma mulher, tocá-la em todas as zonas erógenas e estimulantes se você estiver excitado, e não cansado ou com sono depois de gozar.

Além disso, as mulheres já estão prontas para a penetração logo depois de gozarem. Diferente dos homens, elas não precisam esperar muito tempo para que as máquinas voltem a funcionar. O clitóris pode ficar sensível por alguns segundos, mas dentro de instantes ela já está pronta para outra – é por isso que o fenômeno de orgasmos múltiplos é relativamente comum entre as mulheres que já gozaram com estimulação clitoriana.

No fim do dia, se você puder tirar apenas algo desta aula de história, que seja isto: sexo é uma troca. Quando você entender e realmente sentir isso, sua percepção do ato vai mudar, seu sexo vai melhorar e inclusive a sua visão do mundo se tornará mais ampla. Pode apostar!

Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Homem também tem que ter estilo
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »