Entenda como a pílula do dia seguinte realmente funciona

Créditos: Reprodução

Extremamente polêmico e rodeado por mitos, a pílula do dia seguinte ainda confunde a cabeça de muita gente.

Para sanar essas dúvidas e esclarecer, de uma vez por todas, como esse medicamento realmente funciona, reunimos a opinião de alguns ginecologistas e selecionamos as respostas para as principais perguntas sobre o método.

Fique esperto:

Como eu devo ministrar a pílula?

Créditos: Reprodução

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

É bom você saber que existem dois tipos: um deles, em dose única, e o outro tipo é ministrado em dois comprimidos – neste caso, a mulher tem que tomar um comprimido logo depois da relação e o outro depois de 12 horas do primeiro.

Mas, independente do tipo, a garota precisa tomar, no máximo, 72 horas depois da relação sexual desprotegida – quanto mais tempo demorar, menor a eficácia da pílula.

Você consegue comprá-la sem prescrição médica mas, mesmo assim, é interessante que a garota passe no médico depois de ingerir a pílula do dia seguinte.

Na verdade, é indicado que ela vá ao ginecologista pelo menos uma vez por ano e entenda o que pode, ou não, ser ministrado no organismo dela – assim como os homens devem visitar o urologista com maior frequência, de preferência, também uma vez por ano.

E se a mulher já faz uso de algum método contraceptivo?

Créditos: Reprodução

Se a garota já faz uso de um método contraceptivo, como a pílula anticoncepcional, DIU, contracepção hormonal injetável, implantes e etc., ela deve evitar ainda mais tomar a pílula do dia seguinte – mesmo quando a camisinha furou ou quando, por algum motivo, a mulher esqueceu de tomar um dos comprimidos da pílula anticoncepcional.

Nesses casos, pode ocorrer uma grave irregularidade menstrual, principalmente se a pílula do dia seguinte for utilizada mais de uma vez no mesmo ciclo, o que não é recomendável. Mesmo!

Mas, se mesmo assim a garota quiser tomar, a orientação é interromper imediatamente o uso da pílula anticoncepcional e esperar a menstruação. Depois da menstruação, a garota pode começar outra cartela de pílula anticoncepcional.

Se sua parceira esqueceu de tomar algum comprimido da cartela de anticoncepcional e está insegura, o melhor é transar com camisinha até a menstruação chegar.

A pílula é abortiva?

Apesar do que dizem por aí, a pílula do dia seguinte não é abortiva. Ela age antes que a gravidez possa acontecer.  Se a fecundação ainda não aconteceu, o medicamento vai dificultar o encontro do espermatozoide com o óvulo. Por outro lado, se a fecundação já tiver acontecido, a pílula do dia seguinte vai causar uma descamação do útero e impedir a implantação do ovo fecundado.

Se o óvulo já estiver implantado a gravidez já começou e aí a pílula perde o efeito.

Efeitos colaterais e perda de efeito

Os efeitos colaterais são muitos e extremamente chatos, por isso, também, a pílula do dia seguinte deve ser utilizada em último caso.

Entre os efeitos, o mais comum é a alteração no ciclo menstrual e do tempo de ovulação – ou seja, vai ficar bem difícil pra garota calcular o período fértil e o dia da menstruação. Além disso, também é muito comum sentir dor de cabeça, sensibilidade nos seios, vômitos, náuseas e aumento na oleosidade da pele.

Aliás, preste atenção: se ocorrer vômito ou diarreia nas primeiras duas horas, a sua parceira vai ter que tomar a pílula de novo, ok?

Ao contrário do que dizem, se você tomar a pílula do dia seguinte frequentemente, ela não perde o efeito, mas sua eficácia é altamente reduzida.

Normalmente, com a pílula do dia seguinte, o risco de engravidar é de 15% se você tomar depois de 24 horas de transar, contra uma média de 0,1% da pílula anticoncepcional.

A pílula do dia seguinte é um método contraceptivo?

Não, não é. Não troque a camisinha pela pílula e não troque o anticoncepcional pela pílula do dia seguinte. Como já falamos, ela deve ser tomada apenas quando o método contraceptivo escolhido falha. Além de apresentar efeitos colaterais muito mais severos que a pílula comum – principalmente pela dose alta de hormônio, cerca de 20% a mais do que a existente em uma cartela de anticoncepcional – ser menos eficaz e também ser bem mais cara, o contraceptivo de emergência não a protege das DSTs.

A pílula do dia seguinte também não protege a garota durante as próximas relações sexuais! Então, não adianta tomar a pílula do dia seguinte e transar sem proteção até a próxima menstruação acreditando que ela não vai engravidar. 

Ainda há risco de gravidez depois de tomar a pílula do dia seguinte, e ela também pode prejudicar a fertilidade da mulher?

A resposta para as duas perguntas é sim. Quanto mais cedo a sua parceira tomar a pílula, melhor, mas, mesmo assim, a melhor forma de evitar a gravidez é a camisinha e os métodos contraceptivos.

A curto prazo, o uso da pílula do dia seguinte causa uma verdadeira revolução na produção hormonal da mulher. A longo prazo, de acordo com a quantidade de vezes que ela foi usada, pode afetar o aparelho reprodutor e, caso ocorra a gestação ectópica, a mulher poderá perder uma trompa e isso dificultará uma futura gestação.

Por isso: use a pílula do dia seguinte somente em casos de emergência e não abra mão dos métodos contraceptivos.

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »