O que melhor rolou no Festival Brasileiro de Cerveja 2015

Jean le Blanc - Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja

O Brasil é realmente o país da cerveja… artesanal. Comprovei isto na cobertura do Festival Brasileiro da Cerveja 2015, que reuniu quase 35 mil pessoas em Blumenau, entre 11 e 14 de março.

+ Confira as vencedoras do Festival Brasileiro de Cerveja
Conheça as novidades do Festival

O evento ocupou dois espaços do Parque Vila Germânica, o mesmo que recebe o Oktoberfest. Quem compareceu à feira de cervejas artesanais pôde provar 600 rótulos à disposição, entra nacionais e importados.

Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

O festival contou com o Concurso Brasileiro de Cervejas, em sua terceira edição. Além disso, o evento contou com gastronomia, palestras, debates e uma rica programação artística e musical.

À convite da Eisenbahn, acompanhei o lançamento do novo rótulo da cervejaria e, de quebra, ainda conferi (e degustei) algumas das novidades do Festival Brasileiro de Cerveja. Veja o que de melhor achamos por lá!

Cervejas que experimentei no Festival

Eisenbahn Ventura

Eisenbahn Ventura 4

O grande lançamento da cervejaria de Blumenau foi a Eisenbahn Ventura, uma Belgian Blond Ale vencedora do 5º Concurso Mestre Cervejeiro. O dono da receita campeã foi o cervejeiro caseiro Anderson Faller.

Com 6,9% do teor alcoólico, o rótulo tem um aroma frutado e notas condimentadas de cravo e pimenta. O dulçor do malte é presente no paladar, com baixo amargor. A cerveja é uma edição limitada.

Seasons, a dona da melhor cerveja do ano

Holy Cow 2 - Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja

A primeira coisa que fizemos ao chegar no Festival Brasileiro da Cerveja 2015, foi aparecer no stand da cervejaria que fez a melhor cerveja nacional, a BasiliCow, uma witbier que leva manjericão. Infelizmente, já havia acabado.

Mas nem tudo estava perdido. Tive que me contentar com a Holy Cow 2, uma double IPA, com 7,5% de teor alcoólico. Feita com a técnica do Dry Hopping, ela é uma cerveja bem aromática e com uma porrada de lupulada (com 85 de IBU). Apesar disso, é bem refrescante e gostosa, vale a pena experimentar.

Tupiniquim, a cervejaria do ano

Tupiniquim Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja

Assim como a Seasons, o estande da cervejaria de Porto Alegre estava lotado. Entre seus tradicionais rótulos maturados em barris de whisky e cachaça, provei a Lost In Translation Brett, medalha de ouro na categoria American-Style Brett Beer.

A cerveja feita em colaboração com a cervejaria dinamaquesa Evil Twin, tem 6,5% de teor alcoólico e conta com leveduras selvagens (brettanomyces), conferindo um aroma cítrico de casca de limão e laranja, abacaxi e couro. O sabor cítrico mantém, completando com notas azedas e ácidas.

Além disso, provei a Evil Twin Brazil Berliner Weisse Maracujá, uma sour ale com 4% de teor alcoólico e que tem um intenso aroma e sabor de maracujá.

Bier Hoff Cocada Preta

Bierhoff Porter

A cerveja que deu a medalha de ouro para a cervejaria de Curitiba na concorrida categoria Speciality Beer é uma Porter, com 5,9% de teor alcoólico. A combinação do aroma intenso de coco com o chocolate no paladar explica o porquê do rotulo vitorioso.

Bastards Brewery

Jean le Blanc - Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja

Em sua primeira participação no Festival Brasileiro de Cerveja, dei uma passadinha na cervejaria Bastards Brewery, a fim de provar o rótulo Jean Le Blanc, eleito como a segunda melhor cerveja do festival.

Mark the Shadow Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja 2

Com 4,9% de teor alcoólico, ela é uma witbier com aroma de capim limão, casca de laranja e coentro. O sabor acompanha as notas cítricas e de especiarias. Curtimos bastante os rótulos da cervejaria, que conta ainda com o Zé, o Galego; Willie Bitter e Mark The Shadow, uma oatmeal stout servida em uma chopeira com o desenho de um projétil de canhão.

Karavelle Summer Wit Lemon & Pepper

Summer Wit - Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja

A cervejaria paulista conquistou ouro no Festival com a Weiss e a prata com a Pilsen. Mas, a novidade que experimentei no stand foi a Summer Wit Lemon & Pepper, uma witbier com limão kaffir, manjericão tailandês e pimenta sichuan. Uma boa combinação de aroma com sabor, rótulo bem refrescante e mais que indicado para dias quentes.

Way Saque IPA

Fiquei curioso para provar a cerveja que leva arroz e levedura de saquê na receita. Com 6,5% de teor alcoólico, o rótulo lembra no aroma e paladar o fermentado japonês.

Bodebrown Saint Arnould 6

Arnould 6 Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja

Eleita terceira melhor cervejaria do festival, passei na Bodebrown para conferir as novidades. Famosa por seus rótulos envelhecidos em barris, provei a Saint Arnould 6, a primeira da série Belga, uma cerveja de Abadia que leva especiarias. Ela conta com 7% de teor alcoólico.

Wäls Saison d’Alliance

Saison d' Alliance - Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja

Uma das novidades da cervejaria mineira foi a cerveja feita para celebrar a união da Bohemia com a Wäls. Com 5,8% de teor alcoólico, ela é uma cerveja no estilo saison, com sálvia, gengibre e hortelã.

Invicta Transatlântica

Transatlântica Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja

Provei o lançamento da cervejaria, a cerveja ácida Transatlântica. Com 6% de teor alcoólico, o que me atraiu a experimentar o rótulo foi a fruta inusitada da receita, o cajá-manga, popular na região Nordeste.

Weird Barrel Flip

A nova cervejaria de Ribeirão trouxe para o festival uma Weird Barrel Bad Luck, uma fruit beer com frutas vermelhas bem interessante. Vale a pena provar.

O que faltou?

Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja 12
Junto com a galera do Rally da Cerveja, Bebida Liberada e Etílicos

Como só tivemos um dia para a cobertura do evento, muita coisa ficou de fora. Abaixo seguem o que gostaria de ter provado no Festival Brasileiro de Cerveja 2015:

Urbana Fio Terra: a irreverente cervejaria paulistana lançou o polêmico rótulo no evento. Ela é uma Orange IPA com 6% de teor alcoólico e 70 IBU’s. Ou seja, uma porrada de lúpulos para tomar.

DUM Petroleum envelhecida em Carvalho Francês, Castanheira e Amburana: a famosa cerveja Petroleum ganhou uma série limitada envelhecida nestas três madeiras. Vou ter que reservar para a próxima.

Dama Bier West Coast Rye IPA: cerveja de amargor intenso feita de forma colaborativa com a Cervejaria Tupiniquim.

Café Hop Arabica: Café Fazenda Sertão de Carmo de Minas/MG coado, exatamente o mesmo que vai na Hop Arabica. Para quem gosta de café como eu, fez falta.

Melhor do Festival Brasileiro de Cerveja 3
As sommeliers de cerveja Bia Amorim e Carolina Oda estiveram presente ao evento

Morada Etílica Gasoline Sour: uma Flanders Red Ale de 6,7% de teor alcoólico, envelhecida em barris de vinho do porto.

Bierland: Manobier, uma Strong Scotch Ale, conhecida também como Wee Heavy, baseada em receita vencedora do Concurso Cervejeiro Caseiro Bierland 2014.

Dry Hopping: Procedimento aonde se adiciona lúpulo já na fase de fermentação ou na maturação para incrementar o aroma da cerveja sem aumentar seu amargor.

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »