Cerveja, agora, é considerada alimento funcional

Quantas vezes você já ouviu que a cerveja é capaz de enganar o seu estômago e matar a sua fome? Aquela história de que, antigamente, muitos povos se alimentavam com cerveja é bem popular e tem embasamento científico.

A cerveja tem carboidratos, etanol, proteínas e aminoácidos, minerais, ácidos orgânicos, vitaminas, compostos fenólicos, componentes amargos de lúpulo e derivados, óleos essenciais e derivados, purinas, compostos alcoólicos e aminas biogênicas. Em resumo: essa combinação toda é capaz de nos alimentar. Mesmo com o álcool na formulação, o seu consumo moderado tem efeitos positivos para o organismo pois aumenta o colesterol associado às lipoproteínas de alta densidade (HDL), reduzindo os riscos de doenças e acidentes cardiovasculares.

O site Quo afirma que, a partir de 2020, será obrigatório que as embalagens de cerveja nos Estados Unidos apontem os valores nutricionais da bebida – algo que já vemos em bebidas não alcoólicas e em todos os alimentos comercializados oficialmente.

Segundo o Centro Médico da Universidade de Maryland, a cerveja contém importantes minerais e vitaminas e, por isso, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) – órgão encarregado de publicar os valores nutricionais de alimentos e bebidas – já definiu o que vamos ver no rótulo quando comprarmos uma garrafa ou lata de cerveja.

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Por ser uma bebida natural, o seu teor alcoólico é baixo e uma latinha contém poucas calorias (cerca de 42 kcal), menos que um copo de suco de maçã ou de leite – e a cerveja ainda tem a vantagem de não conter açúcar ou gordura na sua composição. Além disso, ela funciona como diurético (por causa do potássio)!

Mesmo assim, a gente precisa lembrar que o consumo excessivo de álcool causa inúmeros problemas físicos e psicológicos, como transtornos hepáticos, pancreáticos, cardiovasculares, do sistema nervoso e digestivo.

Algumas diferenças também são perceptíveis e significativas quando comparamos cervejas claras com escuras: as claras, por exemplo, não têm cafeína, açúcar, vitaminas A, D ou C, e não oferecem nenhum tipo de ácido graxo. Porém, elas têm um alto teor de minerais e vitaminas do complexo B.

O silício, um dos minerais mais importantes presentes na cerveja, favorece os processos de formação óssea. Um estudo, realizado pela Universidade de Tufts e compartilhado no Brasil pelo portal Yahoo, afirma que duas latas de cerveja contribuem para melhorar a densidade dos ossos. Mas, outra vez, o limite é importante: o mesmo estudo mostra que aqueles que bebem demais apresentam uma menor densidade óssea.

A cerveja (sem álcool) também é altamente recomendada para atletas por causa das maltodextrinas, carboidratos que são metabolizados de forma mais lenta e liberam, aos poucos, unidades de glicose no sangue.

Isso ajuda o corpo a não produzir um pico elevado e pontual de glicose no sangue, evitando episódios de hiperglicemia e hipoglicemia.

Quer saber qual é o “consumo moderado” recomendado? O ideal é beber 500ml por dia! Para as mulheres, a quantidade recomendada é 330ml diários.

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »