5 tratamentos sexuais estranhos já recomendados por médicos

Créditos: CNN

 

Há quem acredite que comer os órgãos e beber sangue de uma cobra pode aumentar a virilidade e potência sexual. Outros creem que chás feitos com certas ervas, como Marapuama, aumentam o fluxo sanguíneo na região pélvica e, com isso, intensificam a ereção.

Tratamentos alternativos para melhorar o desempenho sexual são procurados por várias pessoas no mundo inteiro, mas algumas soluções bizarras já foram aprovadas pela medicina tradicional e implementadas em consultórios ao longo da história!

Veja alguns exemplos.

Mercúrio para curar Sífilis

Créditos: Reprodução

Créditos: Reprodução

 

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Antes da descoberta da penicilina e quando a Sífilis atacava em peso a Europa, quem sofria com a doença sexualmente transmissível era tratado com mercúrio.

O elemento químico estava presente em pomadas e pílulas e só deixou de ser usado quando os médicos perceberam outros efeitos nocivos durante o tratamento, como perda de dentes, destruição do fígado e dos rins, danos ao sistema nervoso central e, posteriormente, morte.

Testículos de bode para curar impotência

Créditos: Reprodução

Créditos: Reprodução

 

O norte-americano John R. Brinkley ficou famoso no século 19 por implantar testículos de bode em seres humanos. O objetivo? Acabar com a impotência sexual e infertilidade. Brinkley era médico e ele participou de milhares de cirurgias para implantar os testículos dentro do escroto dos homens.

Ele não realizava nenhuma fusão entre os dois tecidos, apenas colocava o testículo de bode lá dentro e afirmava que a dose extra de testosterona revitalizaria a vida sexual do paciente.  

Sua popularidade foi tão ampla que ele chegou a fazer propagandas da técnica em programas de rádio! Se você ficou curioso, o livro “Charlatan: America’s Most Dangerous Huckster”, de Pope Brock, relata mais informações sobre a história de Brinkley.

Masturbação para a cura da histeria

Créditos: Reprodução

Créditos: Reprodução

 

O mundo realmente demorou para entender o comportamento sexual feminino e, por causa de inúmeras amarras sociais, as mulheres não alcançavam o prazer sexual completo e, por não gozarem, os médicos as consideravam histéricas. Pouco sexismo, não?

O vibrador surgiu em 1869 para aliviar essas tensões femininas e aliviar as mãos dos médicos que, antes do lançamento do produto, estimulavam o clitóris das mulheres dentro de consultórios.

Um filme recente, lançado em 2011 e dirigido por James Lee relata uma comédia romântica cujo plano de fundo é exatamente o lançamento do vibrador. Histeria romantiza a história de Mortimer Granville, criador do produto, e traça uma crítica a visão que a sociedade possuía da mulher na era vitoriana.

Bota pra vibrar

Créditos: Reprodução

Créditos: Reprodução

 

Com o objetivo de estimular a ereção, o século 19 apresentou outro tratamento bizarro: choque no pênis. O cinto elétrico Heidelberg deveria ficar preso na cintura e, através de uma alça peniana, transferia os impulsos até o órgão sexual então desestimulado.

Os homens podiam utilizar o utensílio em casa sem a ajuda de nenhum médico. Se você acha a ideia assustadora, pesquisas recentes apontaram que um método derivado do cinto elétrico pode funcionar para combater a disfunção erétil. E aí, você teria coragem?

Cocô de crocodilo

 

Registros egípcios datados de 1850 a.C comprovam que as mulheres colocavam cocô de crocodilo dentro da vagina como método contraceptivo. Na época, a crença era de que a substância eliminava os espermatozoides antes deles alcançarem o útero.

Essa história toda pode até ter um embasamento religioso em outra cultura bem diferente da egípcia: em uma lenda grega, Procris, filha do rei Erechteus tinha relações com Minos, filho de Zeus. Na história, o sêmen desse herdeiro era repleto de escorpiões e serpentes e, por isso, Procris precisava envolver o pênis de Minos em uma bexiga feita com pele de cabra.

Em meados de 1450 a.C, as egípcias começaram a colocar dentro da vagina tampões de linho molhados com mel. A tradição animal durou bastante tempo: até meados do século 17, os protótipos de camisinha eram feitos de alguma parte animal. 

Bom, parece que evoluímos bastante de uns tempos para a cá, mas quais de nossos tratamentos serão considerados bizarros no futuro?

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »