Os custos escondidos na reforma do apartamento

Colunista revela que os gastos podem ir além do seu orçamento

Quem pensa que comprar a casa ou apartamento é simplesmente conseguir pagar a parcela do financiamento e decorar o “lar doce lar” está redondamente enganado. Há custos extras que causam rombos bem visíveis na conta bancária. Estou falando de impostos, reformas e outras taxas jurídicas e cartoriais.

+ Vale a pena ter (e manter) um carro?

Qual não foi minha surpresa ao tentar me mudar para o apartamento, lá em 2010, e ter que reformar a casa para entrar nela. Os apartamentos, por mais novos que sejam, precisam de pisos, janelas (o meu veio sem a da lavanderia, devido a um padrão da construção), luminárias, chuveiro, varal, torneiras e uma infinidade de outras pequenices que podem passar de 20% do valor do imóvel.

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

As construtoras deixam ao gosto do cliente o acabamento. Mas, para quem não se planeja e não coloca esse tipo de gasto na conta da casa própria, esse ralo pode causar um grande susto.

Há financiamentos em que há parcelas semestrais e anuais de amortização (não era o meu caso), mas para entrar na casa também se paga um alto valor: a chave me custou mais de R$ 6 mil e eu ganhava menos de R$ 1,5 mil de salário na época.

Custos escondidos na reforma do apartamento

Um especialista que entrevistei em 2010 para uma reportagem do site R7 diz que para o comprador ser efetivado como novo dono ele precisa pagar impostos, como o ITBI (Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis), e registrar o imóvel no cartório da cidade.

Uma reportagem do site InfoMoney mostra que “no financiamento imobiliário é o comprador que deve custear o serviço de despachante e as taxas sobre a avaliação do bem e dos documentos jurídicos que compõem o processo de financiamento, que podem variar de R$ 1 mil a R$ 2 mil, dependendo da instituição financeira e o valor do imóvel”.

Só não tive IPTU (Imposto sobre a Propriedade predial e Territorial Urbana) por causa da metragem do imóvel, mas esse imposto vale 1% sobre o valor venal da moradia. Ao vender, ainda terei que deixar 6% do valor da venda para o corretor que encontrar comprador interessado e averbar a transferência do imóvel a um novo dono.

Se um apartamento foi vendido por R$ 300 mil, R$ 18 mil vão para a imobiliária e para o corretor. Nada mal para um mercado que estava em expansão. Quero ver mesmo como vai ficar quando a bolha imobiliária estourar após o boom.

Se eu pudesse, teria transformado meu apartamento pequeno em uma casa funcional como a desse sujeito do vídeo. Claro que os planejados devem custar mais do que o imóvel em si, mas que fica incrível depois da reforma, fica. Não é?

 

>> Texto colaborativo de Marcel Gugoni. Jornalista, dono do blog Chega de Dívidas, fã de economia e finanças pessoais, que precisou quebrar pra aprender a importância de guardar dinheiro. Hoje é (praticamente) um poupador compulsivo.

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »