“Negro apanha muito no Brasil e ainda é incentivado a ficar calado” (Emicida)

Divulgação

Ele é o grande destaque da música brasileira nos últimos tempos. Para quem acha que o Rap deveria ocupar um pequeno espaço no canto do quarto, Emicida tomou de assalto a casa inteira. Ainda por cima, mesclou estilos, fez parcerias das mais diversas e provou que o artista não precisa se limitar a um gênero só.

O seu segundo álbum recém-saído do forno, Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa, foi resultado de uma viagem que o rapper Leandro Roque de Oliveira fez ao continente africano, buscando as origens e raízes da música que chegou por aqui.

Fã do rapaz crescido em Jardim Fontales, periferia da Zona Norte, o MHM acompanhou sua participação no Vevo Sessions e aproveitou para bater um papo franco com o músico.

Confira abaixo a entrevista exclusiva e polêmica, onde Emicida fala de racismo, preconceito no Brasil, seus trabalhos anteriores e a importância da sua mãe em sua vida. Confira!

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Algumas declarações que Emicida deu na entrevista:

  • “Pessoas não nascem racistas, são ensinadas a serem racistas”
  • “Negro apanha muito no Brasil e ainda é incentivado a ficar calado”
  • “Tem pessoas que estão com a cabeça como se fosse 1800, que acha que a minha música e a minha pessoa tinha que ficar trancafiado em um gueto como se fosse uma cadeia. É uma conquista muito grande ofender estas pessoas.

Divulgação

  • “Quando eu saio para pegar um taxi e ele não para pra mim, que sou Emicida, aquilo ali é o Brasil de verdade. Aí você se põe no lugar dos irmãos que não estão com a cara na televisão, que não são Emicida. Pra mim, sinceramente, não poder pegar um táxi, tanto faz. Podia comprar o carro dele, inclusive”.
  • “Eu gosto muito da minha primeira Mixtape, mas ela é um retrato de 10 anos antes dela sair… Ela é tão fiel para mim que eu lembro até meu estado de espírito. Estava com fome, cansado e sem dinheiro”.
  • “Hoje me encontro em uma posição financeiramente melhor. Mas meu desejo de fazer música, de contar história, continua o mesmo”.
  • “Não quero que meu Rap seja só uma reprodução da música que acontece nos EUA”
  • “O que me fez chegar até aqui é que meu ponto de vista não está poluído pelas coisas que me cercam”.
  • “Minha vontade agora é fazer história em quadrinhos. Disco a gente já acabou de fazer um”.
Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »