4 Grandes venenos para o relacionamento (e seus antídotos)

shutterstock

Se você pensa que só os relacionamentos tóxicos e prejudiciais têm problemas, errou. Até mesmo os envolvimentos bem sucedidos têm conflitos.

John Gotman, especialista em relacionamento, tem um espaço na Universidade de Washington, EUA, com um curioso nome: Laboratório do Amor. E foi através de anos de pesquisa e estudo com mais de 3 mil casais que ele constatou que o problema não está no conflito entre duas pessoas, mas como o casal vai gerenciar e resolver aquele ponto fraco ou discordância.

Com toda sua experiência na área, Gottman afirma que pode prever com precisão de 90% se um casal vai permanecer junto ou não.

Depois das mais diversas pesquisas, o especialista identificou 4 dos principais venenos que podem acabar com o relacionamento. Junto com eles, apontou as principais coisas a fazer que servem como antídotos, salvando-o. Conheça!

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Crítica

shutterstock

O ser humano não sabe absorver bem as críticas. Se você faz isso com sua parceira com frequência, ela pensa que é um ataque direto e pessoal a ela, atacando seu caráter.

A crítica prejudica muito mais do que uma simples queixa ou um comentário negativo aleatório. Este é o sinal mais comum e evidente de que seu relacionamento está com problemas.

O que fazer: Reclamar sem culpar o outro

Fale sobre seus sentimentos e carências usando mais o Eu e não o Você. Depois, sempre tente expressar uma necessidade positiva para a ação ou mudança: O que você sente? O que você precisa?

Crítica: “Você sempre fala sobre si mesmo. Você é tão egoísta”.
Antídoto: “Estou me sentindo deixado de fora por nossa conversa hoje à noite. Podemos, por favor, falar sobre o meu dia?”

Desprezo

shutterstock

Este é um forte sinal de que o relacionamento está fracassando, já que os pensamentos negativos em relação a companheira foram guardados por muito tempo a ponto de o indivíduo não se preocupar em resolver os conflitos.

Alguns exemplos de demonstrações de desprezo incluem quando uma pessoa usa sarcasmo, cinismo, xingamentos, escárnio, zombaria e humor hostil durante uma discussão.

O que fazer: cultive o respeito

O antídoto é a construção de uma cultura de valorização e respeito do outro. Pense de forma positiva sobre sua parceira, concentrando-se nas qualidades, e não nos defeitos.

Desprezo: “Você é um idiota.”
Antídoto: “Estou orgulhoso da forma como você lidou com essa situação.”

Estar sempre na defensiva

shutterstock

Neste caso, o indivíduo age como se o outro estivesse atacando. Ao ser criticado, a reação que tem é de proteção dos seus sentimentos, fechando-se para o outro ou reagindo com raiva, dando o troco.

Ficar na defensiva é uma maneira de culpar o parceiro. Você está dizendo, na verdade, o problema não é comigo, é com você. Como resultado, o problema não é resolvido e o conflito se agrava ainda mais.

O que fazer: aceitar a responsabilidade

Mesmo que você tenha um ponto de vista conflitante e que não concorde com a outra parte, tente escutar o que a outra pessoa tem a dizer e assuma parte da responsabilidade.

Defensiva: “Não é minha culpa que estamos sempre atrasados, a culpa é sua.”
Antídoto: “Bem, parte disso é o meu problema, eu preciso otimizar melhor o meu tempo.”

O silêncio

shutterstock

Quando você percebe que não consegue lidar com os três sinais acima, pode reagir escolhendo a não interação, virando as costas, mostrando-se ocupado e recusando-se a discussão.

Você até pode evitar o confronto, mas fecha todos os canais de comunicação. O efeito disso não é saudável para o relacionamento, causando o distanciamento e, no futuro, a separação.

O que fazer: calma

O primeiro passo é acalmar-se durante o conflito. Se você continuar a discutir de cabeça quente, vai explodir com sua parceira, falar o que não deve e não chegarão a lugar nenhum.

Espere 20 minutos para reduzir a raiva e o nervosismo do calor da hora antes de iniciar a conversa. Saia para caminhar, leia um livro, veja um filme ou série e volte a conversar quando sentir-se mais calmo e pacífico. É crucial que, durante este tempo, evitar pensamentos de justa indignação (“Eu não tenho que aceitar mais isso”) e de vitimização inocente (“Por que ela está sempre pegando no meu pé?”). Gaste seu tempo fazendo algo reconfortante, como ouvir música ou fazer exercícios.

Fonte: Gottman

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »