Dicas para comemorar o Dia do Saquê

Dia do Saquê

Usada há milênios na terra do sol nascente, o saquê faz parte da tradição no Japão em cerimônias de casamento, festas ou celebrações em geral. No Brasil, a bebida pegou por ter um sabor suave e como base em coquetéis – o mais tradicional deles é o caipisaquê, que deixa a cachaça de lado para usar o fermentado japonês, com adesão em massa dos paladares femininos.

Como dia 1º de outubro é comemorado mundialmente o Dia do Saquê, resolvemos pegar algumas dicas com Ana Toshimi Kanamura, uma das poucas especialistas da bebida e responsável pela carta de degustação do fermentado no mais novo restaurante japonês de São Paulo, Sakagura A1.

A casa no Itaim comandada pelo renomado chef Shin Koike (dono do antigo Aizomê, eleito o melhor restaurante japonês pela revista Veja São Paulo 2009-2010) pretende ser uma mescla de boteco japonês (Izakaya) com clima de sushibar. Aceitamos o convite para uma degustação guiada, com pratos e diferentes tipos de saquê que harmonizam com a comida. Confira as dicas.

O texto continua abaixo, clique no botão para continuar a leitura

Sakagura A1 - restaurante especializado em saquê (dia do saquê

No nosso mercado, os principais tipos de saquês que circulam são do tipo Honjouzou e Junmai. O primeiro recebe a adição de 10% de álcool etílico e segundo tem o álcool extraído exclusivamente do arroz, tornando-o mais puro. Já os saquês mais sofisticados têm qualidade superior por causa do nível polimento do arroz. O Daiguinjo é um sake especial, seguido de Guinjo,  Honjouzou e Junmai.

No Japão, os recipientes são redondos, de cerâmica, sem acompanhamento. No Brasil, a bebida é geralmente (e erradamente) servida em copos quadrados de madeira (masu), com sal na borda. Uma das explicações para o uso do sal seria a má qualidade da bebida fabricada no passado e a pessoa que consumia o líquido tinha o sal como alimento para acompanha-lo. Se você estiver no Japão e pedir para colocar sal, o dono do estabelecimento pode se sentir ofendido e convidá-lo a se retirar.

Sakagura A1 - Dia do Saquê

Segundo a especialista Ana Kanamura, a melhor maneira de se tomar gosto e adquirir paladar para o saquê é tendo o hábito de experimentar. De maneira geral, um saquê de qualidade superior não deixa resíduos na boca. Os saquês suaves e secos são mais fáceis de beber e harmonizar. Além disso, é possível ver o número do percentual de polimento, que já dá uma ideia da qualidade do saquê.

Pela legislação brasileira, os importadores são obrigados a colocar na etiqueta colada no rótulo só informações genéricas, como quantidade em ml, prazo de validade, percentual alcoólico (que varia pouco, entre 15% e 16%) e os dados da importadora. “Para quem não entende nada da bebida, recomendo ir a casa com boa carta ou consultar um especialista ou o vendedor para trocar impressões antes de comprar a bebida”, indica Ana.

O saquê suave é mais enjoativo, para quem não está acostumado a beber, e o seco é melhor para quem bebe regularmente. Os dois combinam com os petiscos de entrada do restaurante, chamado de kit Sakagura, cinco opções de JAPAS (petiscos da casa que o chef Shin Koike batizou remetendo aos tapas espanhóis). Como o saquê não tem conservante, depois de aberto a dica é que ele seja consumido o quanto antes.

Sakagura A1 - Dia do Saquê

Entre uma degustação e outra no Sakagura A1, Ana Toshimi Kanamura esclarece que a melhor forma de apreciar a bebida é pura e em climas frios (resfriado na geladeira), apesar de respeitar o paladar das pessoas que tem por costume apreciar a bebida quente. Neste caso, recomenda-se fazer em banho-maria para não atingir temperaturas acima de 35º celsius, o que faz a bebida perder algumas propriedades gustativas.

Apesar de ter boa variedade de saquê, a especialista indicou não combinar com comidas muito temperadas e fortes, pois isso pode anular o sabor do saquê. De uma maneira resumida, a dica é combinar saquês secos (tipo Honjouzou), para pratos bastante condimentados – amargos, salgado, ácido e apimentados (como os ceviches do Sakagura A1) – e saquês suaves para pratos mais leves, como os anéis de lula com ana nira (cebolinha japonesa). Os do tipo Junmai cai bem com comidas ou ingredientes gordurosos (como o lanche Ban de pancheta, do Sakagura A1). Para um prato mais requintado, o ideal é um saquê Premium.

Sakagura A1
Endereço: Rua Jerônimo da Veiga, 74 – Itaim
Telefone: (11) 3078-3883

Os comentários são listados abaixo, clique no botão para comentar ou ler outros comentários
Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Canal do MHM

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »