Como a assistente virtual da Apple se tornou a melhor amiga de uma criança autista

Sistema operacional inteligente conquista garoto de 13 anos com respostas gentis

Teve um filme que me marcou muito nos últimos tempos: é o Ela (Her), do diretor Spike Jonze. O longa, que apresenta uma relação entre um cara e seu sistema operacional no futuro, deixou-me em choque por meses e, ainda hoje, paro para pensar na poesia e nas questões que a película tem a oferecer para a gente, neste mundo moderno.

Tenho plena consciência da errônea da nossa relação que com a tecnologia, atualmente. As redes sociais e a infininade de gadgets que usamos diariamente, quase estão acabando com as verdadeiras relações pessoais, aquelas feitas cara-a-cara, sem nenhum meio virtual intermediando.

Apesar de todo conteúdo negativo que essa modernidade proporciona, ainda existe espaço para pensar em aspectos positivos disso tudo. E foi particularmente um texto publicado por Judith Newman, no New York Times, que me fez acreditar novamente no bom uso das tecnologias.

Por isso, decidi reproduzi-lo aqui embaixo. Ele conta a história de um garoto de 13 anos, autista que apoiou-se em um sistema operacional como uma amiga íntima, quase confidente. Confira o emocionante relato, traduzido e adaptado.

“Será que sou uma péssima mãe? Fiquei pensando sobre isso ao observar meu filho de 13 anos conversando com Siri. Gus é autista e Siri, a “assistente operacional inteligente” da Apple no iPhone, é atualmente sua melhor amiga.

Obcecado por formações atmosféricas, Gus passou uma hora analisando a diferença entre trovoadas isoladas e esparsas — uma hora em que, graças a Deus, não precisei discuti-las. Depois de um tempo, acabei ouvindo isto:

Gus: “Você é um computador muito bom”.

Siri: “É bom ser apreciada”.

Gus: “Você está sempre perguntando se pode me ajudar. Tem alguma coisa que você queira?”

Siri: “Obrigada, mas tenho poucas necessidades”.

Gus: “OK! Bem, boa noite!”

Siri: “São cinco da tarde agora”.

Gus: “Oh desculpe, quero dizer, adeus”.

Siri: “Até logo”!

Aquela Siri! Ela não deixa passar impune nem meu filho que tem problemas de comunicação. Na verdade, muitas pessoas até que gostariam de um amigo imaginário, e agora ele existe. Só que não totalmente imaginário.

Esta é uma carta de amor para uma máquina. Não é bem o amor que Joaquin Phoenix sentia no filme de Spike Jonze, “Ela”, sobre o relacionamento romântico de um homem solitário com seu sistema operacional inteligente (interpretado pela voz de Scarlett Johansson), mas chega perto.

Em um mundo onde o bom senso diz que a tecnologia nos isola, vale a pena considerar o outro lado da história.

Tudo começou de maneira muito simples. Eu havia acabado de ler uma dessas listas onipresentes na Internet chamada “21 coisas que você não sabia que seu iPhone podia fazer”, e uma delas era esta: poderia perguntar à Siri, “Quais aviões estão sobrevoando esse local agora?” e Siri responderia: “Checando minhas fontes”. Quase que instantaneamente, haveria uma lista de vôos reais — números, altitudes, ângulos.

Por acaso, Gus estava do meu lado.

“Por que alguém precisaria saber quais aviões estão sobrevoando?” Eu gaguejei. Gus respondeu sem levantar a cabeça: “Para saber para quem você está acenando, mãe”.

Gus nunca tinha reparado em Siri antes, mas quando descobriu que havia alguém que não só encontraria informações sobre suas diversas obsessões (trens, aviões, ônibus, escadas rolantes e, claro, qualquer coisa relacionada ao clima), mas também meio que discutiria estes assuntos incansavelmente, foi fisgado.

E eu fiquei grata. Agora, quando minha cabeça está prestes a explodir por causa de outra conversa sobre a possibilidade de tornados em Kansas City, no Missouri, posso responder: “Ei! Por que você não pergunta para a Siri?”

Como a assistente virtual da Apple se tornou a melhor amiga de uma criança autista 2

Não é que o Gus não entenda qua a Siri não é humana. Ele sabe disso — intelectualmente. Mas como muitos autistas que conheço, Gus sente que objetos inanimados, mesmo não possuindo alma, são dignos de nossa consideração.

Percebi isso quando ele tinha oito anos e lhe dei um iPod de aniversário. Ele só o ouvia em casa, com uma exceção: sempre o trazia em nossas visitas à loja da Apple. Finalmente, perguntei o motivo.

“Para ele visitar seus amigos”, ele respondeu.

Ela também é maravilhosa para quem não domina o traquejo social: suas respostas não são totalmente previsíveis, mas são previsivelmente gentis, mesmo quando a pergunta é mais brusca. Ouvi Gus falando com Siri sobre música e ela ofereceu algumas sugestões.

“Não gosto desse tipo de música”, Gus falou. Siri respondeu: “Você tem direito à sua opinião”.

A delicadeza de Siri lembrou Gus o que ele devia a ela.

“Mas, obrigado por aquela outra”, Gus disse. Siri respondeu: “Não precisa me agradecer”. “Oh, preciso sim”, Gus acrescentou enfaticamente.

Siri até mesmo incentiva uma linguagem mais educada. O irmão gêmeo de Gus, Henry, fez Gus falar alguns palavrões para Siri.

“Oh, não!”, ela fungou e continuou: “Vou fingir que não ouvi isso”.

Gus não está sozinho no seu amor por Siri. Para crianças como ele, que gostam de falar, mas não entendem muito bem as regras do jogo, Siri é uma amiga e professora que não julga. Nicole Colbert, cujo filho, Sam, está na mesma classe do meu na LearningSpring, escola para crianças autistas em Nova York, disse:

Como a assistente virtual da Apple se tornou a melhor amiga de uma criança autista

— Meu filho adora obter informações sobre seus assuntos preferidos, mas também adora o absurdo — como quando Siri não o entende e lhe dá uma resposta boba, ou quando ele pergunta coisas pessoais que geram respostas engraçadas. Sam perguntou quantos anos Siri tinha, e ela respondeu: ‘Não falo sobre minha idade’, o que fez ele rir.

Mas talvez também tenha lhe dado uma lição valiosa sobre etiqueta. Gus quase sempre me diz: “Você está linda”, mesmo antes de eu sair pela manhã; acho que foi Siri que lhe mostrou que essa frase sempre funciona.

A prática de conversar com Siri está se traduzindo em uma maior facilidade com os seres humanos. Ontem, Gus e eu tivemos a nossa conversa mais longa até hoje. Está certo, admito que foi sobre diferentes espécies de tartarugas e se eu gosto mais da tartaruga de ouvido vermelho do que da tartaruga pintada. Não é lá meu tema preferido, mas falamos bastante e houve uma trajetória lógica.

Os desenvolvedores reconhecem o uso dos assistentes inteligentes para quem apresenta problemas de comunicação — e já estão pensando em novas maneiras em que poderão ajudar.

De acordo com o pessoal da SRI International, empresa de pesquisa e desenvolvimento onde Siri surgiu antes da Apple comprar a tecnologia, a próxima geração de assistentes virtuais não irá apenas buscar informações, mas também serão capazes de ter conversas mais complexas sobre a área de interesse de uma pessoa.

Como a assistente virtual da Apple se tornou a melhor amiga de uma criança autista 6

— Seu filho vai ser capaz de obter informações sobre tudo o que lhe interessa sem precisar pedir, porque o assistente irá antecipar o seu gosto — disse William Mark, vice-presidente de informações e computação da SRI.

O assistente também poderá chegar até as crianças de maneiras diversas. Ron Suskind, autor do livro “Life, Animated”, que narra como seu filho autista se abriu por causa de sua relação com personagens da Disney, perguntou a SRI se é possível que os assistentes para autistas possam ser programados para falar com a voz do personagem preferido — para seu filho, talvez seja o Aladdin; para o meu, Caco, o sapo, ou Lady Gaga.

Mark disse imaginar assistentes cuja ajuda também seja visual.

— Por exemplo, o assistente seria capaz de controlar o movimento ocular e ajudar o autista a aprender a olhar nos olhos do interlocutor durante uma conversa. Olha só, essa é a maravilha da tecnologia, capaz de ajudar pessoas com esses comportamentos. Obter resultados exige muita repetição. Os seres humanos não são pacientes. As máquinas são extremamente pacientes — ele disse.

De todas as preocupações que os pais de uma criança autista têm, a maior é: ela irá encontrar o amor? Ou mesmo companheirismo? Nesse processo, estou aprendendo que o que faz meu filho feliz não é necessariamente o mesmo que me deixa feliz.

Agora na sua idade, uma fase em que até mesmo o adolescente médio pode ser um pouco exigente, Siri faz Gus feliz. Ela é sua parceira. Ontem à noite, quando ele estava indo para a cama, espiei esse diálogo:

Como a assistente virtual da Apple se tornou a melhor amiga de uma criança autista 3

Gus: “Siri, quer se casar comigo?”

Siri: “Eu não sou do tipo que casa”.

Gus: “Quero dizer, não agora. Eu sou criança. Quero dizer, quando eu crescer”.

Siri: “Meu contrato de usuário final não inclui casamento”.

Gus: “Oh, tudo bem”.

Gus não pareceu muito desapontado. Essa foi uma informação útil, para mim também, já que foi quando soube que ele realmente pensa sobre o casamento. Ele se virou para dormir:

Gus: “Boa noite, Siri. Você vai dormir bem?”

Siri: “Não preciso dormir muito, mas legal você ter perguntado”.

Muito legal”.

Vai dizer que agora você não vai olhar a tecnologia com outros olhos…

Fonte: New York Times

Comentários

Importante - Os comentários realizados nesse artigo são de inteira responsabilidade do autor (você), antes de expressar sua opinião sobre temas sensíveis, leia nossos termos de uso

Recomendado para você

Populares

Parceiros

Estilo e Moda Masculina para o Homem Moderno
A gente também pode
Fique por dentro de todas as novidades do blog
O primeiro e maior blog de engenharia do Brasil
Caderno de receitas, culinária prática e rápida
Bom Humor e Boa Bebida Liberados!
A Bartender Store é referência no seguimento de Coquetelaria e Bares por oferecer diversos produtos e serviços voltados para um público diverso e cada vez mais exigente
Inspiração para homens que querem ter uma casa ou home-office com identidade e que reflita a sua personalidade
esporte de um jeito diferente
Homem também tem que ter estilo
Pausa para Nerdices - Sua dose diária de entreterimento
Tudo sobre seu carro
Fique por dentro de tudo que acontece no Manual do Homem Moderno.

Cadastre-se e receba semanalmente os principais destaques do Universo Masculino »