Melhores cenas de sexo no cinema

Melhores cenas de sexo no cinema

Rapidinho, intenso, selvagem, à força ou em lugares proibidos, tem um certo ditado que diz que mesmo quando a transa é ruim ainda assim é muito bom. Com essa pegada, no Dia do Sexo resolvemos fazer nossa seleção das melhores cenas de sexo no cinema, com filmes internacionais e nacionais, que vão desde anos 70 até as atualidades.

+ Veja quais são os melhores filmes sobre sexo de Hollywood
Conheça o que de mais quente rolou nas telonas em 2013
+ Saiba quais são as melhores cenas lésbicas no cinema
Confira a nossa seleção de Paródias Pornôs

Tem para todos os tipos e gosto, alguns mais explícitos outros mais artísticos, mas todos celebrando uma das melhores coisas da vida. Se você não tem pudor e quer apimentar a relação, confira nossa lista das melhores cenas de sexo no cinema e veja com a parceira!

Melhores cenas de sexo no cinema

Ultimo Tango em Paris (1972)

Maria Schneider e Marlon Brando

Sabe aquela sacada da manteiga que todo mundo comenta e que, provavelmente, você só foi entender bem mais tarde, no final na adolescência? Foi Marlon Brando que popularizou isso em Último Tango em Paris. No mesmo ano em que lançava Poderoso Chefão, ele já dava dicas valiosas que ficaram eternizadas no cinema, como a cena em que Brando utiliza a manteiga como lubrificante durante o sexo anal. Apesar do sucesso de público e crítica, o filme de Bernardo Bertolucci foi censurado em vários países. O diretor afirmou que a inspiração para o longa veio de uma fantasia erótica que ele mesmo teve ao ver uma mulher na rua e passou um bom tempo imaginando como seria fazer sexo com ela.

Bonitinha, mas ordinária (1981)

Lucélia Santos mais 5 atores

O clássico brasileiro da pornochanchada não poderia ficar de fora. Baseado na obra de Nelson Rodrigues, o ápice do filme é a cena que mostra a então jovem e bela Lucélia Santos ser ‘currada’ por cinco negões no meio da chuva enquanto gritava: “Me fode, cadelão!”. A cena acima é história que ela conta para tentar convencer o noivo de que foi estuprada.

9 ½ Semanas de Amor (1986)

Mickey Rourke e Kim Basinger

O filme é a prova de que às vezes é preciso deixar o romantismo de lado e partir para a ação (ou paulada, se você não está me entendendo direito). Tudo começa quando Mickey Rourke (antes de virar um troglodita lutador de vale-tudo) resolve seduzir Kim Basinger com o jazz clássico de Billie Holliday. O problema é que Kim só se libera ao ouvir o rock de Bryan Ferry e Joe Cocker. O climax é na cena em que ele coloca uma venda nos olhos da parceira, passa o gelo em seu mamilo e usa frutas, como uvas, morangos e outros vegetais inofensivos sobre o corpo da musa. Uma bela aula se quiser aprender como deixar uma mulher louca para transar.

Ata-me! (1990)

Victoria Abril e Antonio Banderas

Se tem uma coisa que Almodovar sabe fazer são cenas quentes e intensas de sexo. Aqui, Antonio Bandeiras encarna um psicopata que vai atrás de uma atriz pornô (Victoria Abril) para confessar seu amor. Como ela não corresponde, ele resolve amarrá-la na cama. Mas a cena mais sexy do filme acontece quando ele chega em casa todo machucado depois de ter levado uma surra. Não sei se por dó ou tesão (ou as duas coisas juntas) a sequestrada resolve cuidar de seus ferimentos e ai sim se deixa seduzir por ele. Vai entender as mulheres…

Instinto Selvagem (1992)

Sharon Stone e Michael Douglas

Para o homem que gosta de uma dominatriz, Sharon Stone está em seu papel perfeito. Aos 34 anos e com muita agressividade sexual, a musa foi uma das responsáveis por mudar o comportamento das mulheres dos anos 90. Além da clássica cena do cruz-descruza de pernas (que muitos até hoje perguntam se mostrou ou não mostrou), no filme ela foi responsável por levar a loucura, em todos os sentidos, o investigador interpretado por Michael Douglas. A cena mais marcante foi a que ela amarra Douglas e controla a transa por cima. O segundo não foi tão bom quanto o primeiro, mas ainda vale a pena ver Sharon ainda mais ousada e a cena em que ela usa um cinto para sufocar o amante durante o sexo e ter um orgasmo mais intenso.

De olhos bem fechados (1999)

Tom Cruise e Nicole Kidman

Stanley Kubrick apresenta duas pessoas que vivem um casamento perfeito até que a confissão da mulher deixa o marido e a relação desnorteado. Ainda casados, Tom Cruise e Nicole Kidman são protagonistas de uma das cenas mais sensuais do cinema moderno e mostram que a química da relação ajudou no filme. Este é o último filme de Kubrick, que morreu pouco depois do fim da edição.

Um Copo de Cólera (1999)

Alexandre Borges e Júlia Lemmertz

Se eles têm Tom Cruise e Nicole Kidman, nos temos Alexandre Borges e Júlia Lemmertz. Lançado no mesmo ano, o filme brasileiro também aposta na relação do casal para oferecer ao público uma das mais belas cenas de sexo, com muita pegada e vontade de Alexandre Borges, pra mulher nenhuma botar defeito.

Pecado Original (2001)

Antonio Banderas e Angelina Jolie

O mérito deste filme não é a história (que rendeu uma indicação de Framboesa de Ouro na categoria pior atriz a Angelina Jolie) e nem o diretor (Michael Cristofer), mas a sacada de juntar dois ícones sensuais e ainda promover uma cena em que Antonio Banderas e Angelina Jolie transam de maneira bem intensa e em diversas posições. Precisa mais?

A última ceia (2001)

Halle Berry e Billy Bob Thorton

A história aqui é sobre um homem e mulher marcados pelo sofrimento que se entregam ao sexo para aliviar suas dores. A entrega de Halle Berry foi tamanha ao personagem que ele conquistou o Oscar de Melhor atriz com o filme, a primeira negra a vencer na categoria. A cena que marcou o filme tem 4 minutos de duração, com Halle Berry implorando para o parceiro fazê-la se sentir bem e apresentando os protagonistas em diversas posições, em alguns momentos ela dominando, em outros sendo dominada, mas sempre com um sexo intenso e pegado. Lembra bastante aquele famoso sexo de reconciliação, depois de uma briga com a parceira.

Cidade dos Sonhos (2001)

Naomi Watts e Laura Harring

O Diretor David Linch prova aquilo que nós homens não queremos admitir: que existem momentos em que somos absolutamente dispensáveis. A história mostra uma atriz iniciante (Naomi Watts) chegando a Hollywood e se envolvendo com a desmemoriada Laura Harring. As duas embarcam em uma aventura, brincando de detetive para desvendar o mistério do passado de Rita. Solitárias e amedrontadas, elas acabam se beijando, o que leva a uma das cenas de lesbianismo mais linda que já foi filmada.

Entre Lençóis (2008)

Reynaldo Gianecchini e Paola Oliveira

Ela sai para a sua despedida de solteira, ele vai para a balada pensando na crise do seu casamento. Os dois se atraem e vão para um motel, onde transam diversas vezes, se apaixonam e planejam fugas amorosas, mas depois cada um toma o seu rumo. Vale a pena ver as situações em que Reynaldo Gianecchini e Paola Oliveira passam dentro do motel, que incluem strip tease mútuo e muito sexo.

O anticristo (2009)

Charlotte Gainsbourg e Willem Dafoe

Como não poderia ser diferente, o drama psicológico de Lars Von Trier é polêmico do começo ao fim, recheado de cenas realistas de sexo e violência. Considero a cena do prólogo como uma das melhores cenas se sexo no cinema, com a imagem da transa acontecendo no chuveiro, em preto e branco e em slow motion. O filme ainda rendeu o prêmio de melhor atriz em Cannes a Charlotte Gainsbourg.

Budapeste (2009)

Leonardo Medeiros e Giovanna Antonelli (mais Paola Oliveira e Débora Nascimento)

Como não poderia ser diferente, a adaptação da obra de Chico Buarque apresenta várias mulheres se relacionando com o protagonista José Costa (Leonardo Medeiros). O legal é o método de escrever pouco convencional de José Costa, usando o corpo das musas Paola Oliveira e Débora Nascimento (até então desconhecida) para escrever seu livro, entre um sexo e outro. As cenas de sexo valem, é muito, a pena.

Cisne Negro (2010)

Natalie Portman e Mila Kunis

A repressão e sexualidade são temas centrais do drama psicológico de Darren Aronofsky. A cena mais picante do filme é aquela em que a reprimida Nina (Natalie Portman) se entrega ao impulso e transa apaixonadamente com Lily (Mila Kunis). A aura de pesadelo e a ambiguidade entre o que é realidade e ilusão só contribuem por deixar a cena ainda mais impactante. Ela foi a mais comentada entre as pessoas que assistiram o longa e esta entre as melhores cenas de sexo no cinema.

Paraísos Artificiais 2012

Nathália Dill e Lívia de Bueno

O recente filme brasileiro causou polêmica por tratar, abertamente e de uma maneira jovem, de assuntos tabus por aqui: rave, drogas e sexo. O último ponto foi ainda mais comentado, por contar com a cena de lesbianismo entre Nathália Dill e Lívia de Bueno. Vale a pena alugar pra ver uma das melhores cenas de sexo no cinema.

Autor Leonardo Filomeno

Jornalista, Sommelier de Cervejas, fã de esportes e um camarada que vive dando pitacos na vida alheia - no G+