Mulheres compartilham desempenho sexual do ficante em aplicativo Lulu. Cuidado!

mulheres avaliam a performance masculina no sexo em app
Se você é adepto do sexo rápido e somente para satisfação própria, pode entrar, para sempre, na black list das mulheres. Isso porque o aplicativo Lulu, disponível somente para o sexo feminino para iOS e Android, permite que elas compartilhem com as amigas informações sobre os namorados, ex-namorados e ficantes (acesse aqui).

O funcionamento é simples. Depois de acessar o aplicativo e sincronizá-lo com o Facebook, elas podem adicionar um homem no banco de dados e fazer o upload de uma imagem. Depois, é só trocar impressões sobre o beijo, pegada e até o sexo, falando se são educados, limpos, mandam bem, enfim, a ficha corrida completa. Cada item pode receber uma nota particular, no caso das mais detalhistas.

mulheres avaliam a performance masculina no sexo em app 2

Todos os usuários são anônimos e as atividades são mantidas fora do Facebook. Mas se alguma usuária encontrar um perfil que pode ser de interesse para alguma conhecida, pode-se compartilhar as informações. Hashtags também podem ser adicionadas ao perfil do cara, então, é possível filtrar por características boas e ruins.

“Minha visão sempre foi criar um espaço privado discreto para as meninas falarem sobre as questões mais importantes em suas vidas: suas relações”, disse Alexandra Chong, CEO e fundador do Lulu.

Como retirar seu nome da lista

Se vocês não quiserem que a atual saiba seus podres, ou simplesmente quiserem fazer o tipo misterioso, o Lulu dá a opção de você retirar o seu perfil.

É só entrar no site oficial do aplicativo e seguir as instruções! Você se livrará da má fama. Dá pra retirar seu profile baixando o app, o sistema reconhece o gênero pela conta do Facebook e automaticamente te apaga.

Basta saber agora se elas vão compartilhar as informações de caras com ‘pegada’ e atiçam a vontade de outras garotas ou só farão de homens que mandam mal na cama para queimar o filme.

O que estão falando de mim?

Algumas hashtags são autoexplicativas, mas há outras cujo significado pode não ficar muito claro.

#hotncold: cara muito instável
#usarider: adaptação brasileira para #ownscrocs. Significa que ele não se veste lá muito bem.
#edmgroupie: EDM é abreviação para Electronic Dance Music. Quer dizer que o avaliado curte muito, mas muito mesmo, músicas que transitam ali no Pop/Eletrônico, do Kraftwerk nos anos 70 ao Fatboy Slim
#shouldcomewithawarning: quando o garoto é meio louquinho ou costuma destruir corações, ele deveria vir com um aviso. É basicamente o que se está dizendo com essa tag.
#toocoolforschool: se acha superior, é metido.
#movember: é uma mistura das palavras mustache (bigode) e november (novembro). Esse termo identifica uma mania nos EUA de deixar bigode (ou barba) em novembro. No Brasil, é usada para garotos que deixam bigode.
#pantydropper: numa tradução literal, é o derrubador de calcinhas. Pega todo mundo.
#charmedmypantsoff: “me seduziu”, charmoso
#craycray: cray é uma gíria para crazy, que quer dizer maluco.
#jekyllandhyde: referência ao livro Strange Case of Dr. Jekyll and Mr Hyde, ou, O Médico e o Monstro, de Robert L. Stevenson. No mundo de Lulu, quer dizer que o garoto é, hora bonzinho, hora malvado.

Fonte: Terra

Autor Leonardo Filomeno

Jornalista, fã de esportes, apreciador de cerveja (e destilados), e um camarada que vive dando pitacos na vida alheia - no G+